Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,50 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,11 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,82
    +0,11 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.832,00
    +16,30 (+0,90%)
     
  • BTC-USD

    57.208,66
    +1.082,91 (+1,93%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.477,42
    +41,64 (+2,90%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,23 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.715,50
    +117,75 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3651
    -0,0015 (-0,02%)
     

Honor não pretende usar celebridades para promover produtos, revela executivo

Renan da Silva Dores
·2 minuto de leitura

Após inúmeros rumores, a Huawei anunciou em novembro passado a venda da Honor, sua subsidiária dedicada a smartphones intermediários, para um consórcio de empresas chinesas. A medida foi tomada em razão das diversas sanções impostas pelos EUA que a gigante enfrentava e ainda enfrenta, para que "os funcionários da Honor não fossem afetados".

Agora independente, a Honor lançou há pouco seu primeiro celular, o Honor V40 Lite. O aparelho traz especificações respeitáveis, que incluem chip MediaTek Dimensity 800U e tela OLED de 90 Hz, mas ainda sofre forte influência da Huawei, sendo bastante similar ao Huawei Nova 8.

O V40 Lite foi o primeiro lançamento da Honor após separação da Huawei (Imagem: Reprodução/Honor)
O V40 Lite foi o primeiro lançamento da Honor após separação da Huawei (Imagem: Reprodução/Honor)

No mais, a empresa recém-nascida tem agora a missão de conquistar seu espaço no mercado, e rumores de que celebridades seriam usadas para alavancar o nome da Honor pelo mundo começaram a surgir. Esse, no entanto, não deve ser o caso.

Produtos são a melhor propaganda

Comentando os rumores, o chefe de marketing (CMO) da Honor, Jiang Hairong, afirmou que os produtos são a melhor forma de disseminar a marca, confirmando não haver planos para contratar celebridades para marketing. Ainda assim, nada impede que a companhia siga pelo caminho de rivais, sobretudo se levarmos em conta seus planos ambiciosos.

A prática é bastante comum, especialmente em fabricantes chinesas, que contratam grandes artistas locais ou mesmo globais para torná-los embaixadores da marca e atrair novos consumidores. A OnePlus é um exemplo, tendo Robert Downey Jr., conhecido pelo papel de Homem de Ferro, como seu embaixador e protagonista do comercial da linha OnePlus 8. Até mesmo a Huawei contava com uma embaixadora própria: Gal Gadot, conhecida por Velozes e Furiosos, além de protagonista de Mulher Maravilha.

Honor planeja superar a Huawei

Após a separação, executivos da Honor anunciaram planos de lançar aparelhos topos de linha capazes de competir com a Huawei. A fabricante tem a vantagem de não estar na lista de restrições dos EUA, podendo negociar livremente com empresas essenciais para a produção de smartphones e outros dispositivos, como Qualcomm, MediaTek, Intel e Google.

Com planos de superar sua antiga empresa-mãe, a Honor tem a vantagem de não estar na lista de restrições dos EUA (Imagem: Rubens Eishima/Canaltech)
Com planos de superar sua antiga empresa-mãe, a Honor tem a vantagem de não estar na lista de restrições dos EUA (Imagem: Rubens Eishima/Canaltech)

De acordo com os rumores, os primeiros dispositivos premium da marca podem chegar em julho, e incluir a série Honor 40, além do dobrável Magic X. Caso consiga entregar smartphones de qualidade, mesmo sem o elevado investimento da Huawei, a Honor tem grandes chances de abocanhar o espaço deixado por sua antiga empresa-mãe, ou ao menos concorrer com as outras gigantes que também pretendem lutar pelo espaço antes ocupado pela Huawei.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: