Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +412,93 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,39 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.777,30
    +10,50 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    55.203,34
    -5.871,75 (-9,61%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,67 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,61 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,67 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    +10,00 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6943
    -0,0268 (-0,40%)
     

Hong Kong retirado de lista de economias livres

·1 minuto de leitura
Vista de Hong Kong do porto Victoria

Hong Kong não aparece este ano na lista anual de economias mais livres do planeta, que o território liderou em várias ocasiões, publicada pela fundação conservadora americana Heritage, anunciou a instituição.

O anúncio prejudica a reputação do território de Hong Kong, submetido a um rígido controle do poder central chinês desde o fim do ano passado, em resposta às grandes manifestações pró-democracia de 2019.

A Heritage Foundation classifica os países de acordo com as leis e regulamentações: quanto mais favorável ao capital e às empresas, mais livre o país é considerado.

Exceto uma vez, Hong Kong figuroou durante 26 anos na liderança da classificação, o que era motivo de orgulho para o governo da cidade e um argumento para atrair investimentos.

Hong Kong não aparece no ranking de 2021 publicado nesta quinta-feira.

"A perda da liberdade política e autonomia de Hong Kong nos últimos dois anos tornou esta cidade quase indistinguível, em muitos aspectos, de outros grandes centros comerciais chineses como Xangai e Pequim", escreveu no The Wall Street Journal o fundador da Heritage Foundation, Edwin J. Feulner.

"Os vínculos entre Hong Kong e Pequim estão se fortalecendo, enquanto as tradições herdadas da ex-potência colonial britânica, como o direito consuetudinário, a liberdade de expressão e a democracia, foram consideravelmente enfraquecidas", argumentou.

Em 2019, Hong Kong ocupou o primeiro lugar da lista, mas em 2020 caiu para o segundo lugar, atrás de Singapura, seu principal rival na região.

jta/hg/juf/plh/zm/tjc/fp