Mercado fechado
  • BOVESPA

    128.405,35
    +348,13 (+0,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.319,57
    +116,77 (+0,23%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,50
    +0,46 (+0,65%)
     
  • OURO

    1.763,90
    -10,90 (-0,61%)
     
  • BTC-USD

    34.601,54
    -1.460,80 (-4,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    888,52
    -51,42 (-5,47%)
     
  • S&P500

    4.166,45
    -55,41 (-1,31%)
     
  • DOW JONES

    33.290,08
    -533,37 (-1,58%)
     
  • FTSE

    7.017,47
    -135,96 (-1,90%)
     
  • HANG SENG

    28.801,27
    +242,68 (+0,85%)
     
  • NIKKEI

    28.964,08
    -54,25 (-0,19%)
     
  • NASDAQ

    14.103,00
    -62,50 (-0,44%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0361
    +0,0736 (+1,23%)
     

Hong Kong recorre a empresas para acelerar vacinação

·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Quando os proprietários de bares e casas noturnas em Hong Kong se reuniram com autoridades da cidade neste mês, esperavam ouvir como o governo planejava persuadir uma maior parte da população a se vacinar, ao permitir a entrada apenas para pessoas vacinadas.

No entanto, foram as autoridades que perguntaram aos executivos o que fariam para ajudar a acelerar a campanha de vacinação contra a Covid-19, uma das mais lentas entre as cidades globais.

“Eles apenas nos perguntaram se tínhamos alguma ideia ou planos para aumentar a taxa de vacinação”, disse Liu Wai, que representa o setor como presidente de associações de bares e casas noturnas. Cerca de 20% das discotecas fecharam as portas nos cinco meses de suspensão das atividades e o restante gera apenas 10% da receita típica após a reabertura, disse, o que aumenta o desespero do setor para elevar a taxa de imunização.

A chefe do executivo, Carrie Lam, depende cada vez mais de empresas e instituições locais para ajudar na vacinação, enquanto seu governo apoiado por Pequim tenta convencer residentes relutantes em uma atmosfera de desconfiança após protestos generalizados contra a China em 2019. Grandes empresas, restaurantes e até mesmo faculdades começaram a oferecer pagamentos em dinheiro, dias extras de folga e até a chance de ganhar um apartamento avaliado em US$ 1,4 milhão.

“As autoridades governamentais não conseguiram encontrar uma maneira de se envolver com a comunidade para criar um impulso para a vacinação”, disse Karen Grépin, professora associada da Escola de Saúde Pública da Universidade de Hong Kong.

Mais empresas e instituições aceitam o desafio. Na semana passada, o aeroporto internacional da cidade anunciou que distribuirá 60 mil passagens aéreas para pessoas que forem vacinadas antes de setembro. O Jockey Club de Hong Kong oferece até três dias de folga especial remunerada e cobertura de seguro adicional para funcionários vacinados.

Até mesmo os reguladores estão se envolvendo. A Autoridade Monetária de Hong Kong instou bancos a concederem dois dias de licença remunerada para vacinação a seus funcionários, segundo informou o jornal Apple Daily na segunda-feira. A HKMA, que se recusou a comentar especificamente sobre as negociações, confirmou que fez o pedido para facilitar as imunizações.

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos