Mercado fechado
  • BOVESPA

    102.224,26
    -3.586,99 (-3,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,15
    -10,24 (-13,06%)
     
  • OURO

    1.788,10
    +1,20 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    54.827,90
    +41,84 (+0,08%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.365,60
    -89,82 (-6,17%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,04 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.044,03
    -266,34 (-3,64%)
     
  • HANG SENG

    24.080,52
    -659,64 (-2,67%)
     
  • NIKKEI

    28.751,62
    -747,66 (-2,53%)
     
  • NASDAQ

    16.051,00
    -315,00 (-1,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3485
    +0,1103 (+1,77%)
     

Hong Kong planeja reforço para idosos e vacinados com Coronavac

·2 min de leitura

(Bloomberg) -- Hong Kong em breve começará a aplicar vacinas de reforço contra a Covid-19 em idosos, pessoas com maior risco de infecção e em indivíduos que receberam o imunizante da Sinovac BioTech, seguindo os passos de Singapura e China continental, que já estão avançadas na campanha da terceira dose.

Most Read from Bloomberg

Pessoas com mais de 60 anos, profissionais de saúde, bem como funcionários de aeroportos, hotéis e alfândegas devem receber uma terceira dose seis meses após a segunda, segundo recomendação na quarta-feira de especialistas de painéis para o Centro de Proteção à Saúde (CHP, na sigla em inglês).

Hong Kong administra imunizantes da alemã BioNTech e da Sinovac, a Coronavac, e qualquer pessoa imunizada com a vacina chinesa é aconselhada a receber reforço. Depois de oito meses da aplicação da Coronavac, quase não se podiam detectar anticorpos, segundo estudo anterior.

“Vimos a necessidade de aplicar doses de reforço, então não vamos esperar muito tempo antes de lançá-lo”, disse Edwin Tsui, controlador do CHP, em conversa com repórteres na quarta-feira.

Qualquer pessoa imunocomprometida e que tenha sido imunizada com qualquer uma das vacinas disponíveis deve receber reforço, mas apenas quatro semanas após completar o primeiro esquema vacinal. Especialistas disseram que pessoas inicialmente imunizadas com a Coronavac poderiam receber uma dose adicional dessa vacina ou da BioNTech, que se mostrou mais eficaz na prevenção e transmissão da Covid em ensaios clínicos.

Mas, para a maioria dos vacinados com a BioNTech, não há “boa razão científica” para escolher o reforço da Coronavac devido à menor eficácia na ativação da resposta imunológica, disse David Hui, presidente do Comitê Científico de Doenças Emergentes e Zoonóticas.

A China começou recentemente a administrar doses de reforço a pessoas de alto risco. O grupo consultivo da Organização Mundial da Saúde recomendou que indivíduos com 60 anos ou mais que receberam a vacina da Sinovac ou da Sinopharm tenham acesso a uma terceira dose. Esses imunizantes usam a tecnologia de vacina inativada, considerada menos eficaz do que a de RNA mensageiro fabricada pela BioNTech-Pfizer e Moderna.

Embora algumas pessoas em Hong Kong já se qualifiquem para o reforço, muitas ainda se recusam a receber a primeira dose. A hesitação concentra-se principalmente entre idosos, com apenas 47% dos maiores de 60 anos tendo recebido pelo menos uma dose. Desde o início da campanha de vacinação em fevereiro, 61% dos residentes receberam a primeira dose, de acordo com o rastreador de vacinas da Bloomberg. O número se compara a 83% em Singapura, o centro financeiro rival na Ásia.

Entre os 4,6 milhões de pessoas que receberam pelo menos uma dose, cerca de 30% optaram pela Coronavac e 65% escolheram a BioNTech. A cidade também adquiriu 7,5 milhões de doses da AstraZeneca, mas planeja doar tudo para a Covax, o programa global de vacinas apoiado pela OMS para distribuir vacinas a países em desenvolvimento e de renda média.

Most Read from Bloomberg Businessweek

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos