Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,50 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,11 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,82
    +0,11 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.832,00
    +16,30 (+0,90%)
     
  • BTC-USD

    57.000,04
    +451,52 (+0,80%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,07
    +44,28 (+3,08%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,23 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.715,50
    +117,75 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3651
    -0,0015 (-0,02%)
     

Hong Kong aposta em novo fluxo de IPOs com regras mais flexíveis

John Cheng e Kiuyan Wong
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Hong Kong conta com um novo fluxo de empresas estrangeiras com planos de vender ações no centro financeiro em meio à proposta de flexibilizar regras de listagem.

A bolsa busca atrair mais empresas, em particular companhias da China continental devido à tensão sobre a possiblidade de serem negociadas nos mercados dos Estados Unidos. A proposta é ampliar as regras de ofertas públicas iniciais para incluir listagens secundárias para todas as empresas, desde que tenham um voto por ação. Atualmente, apenas empresas de ações de classe dupla inovadoras e de alto crescimento são elegíveis para listagens secundárias em Hong Kong. A bolsa também quer reduzir a capitalização mínima de mercado para ofertas secundárias.

A Hong Kong Exchanges & Clearing estima que cerca de 18 empresas chinesas atualmente listadas em outros mercados poderiam se beneficiar das novas regras. “Por meio dessas mudanças, a HKEX se tornará mais receptiva e complacente com emissores potenciais do exterior,” disse Christina Bao, responsável global por serviços de emissores, em entrevista à Bloomberg na quinta-feira.

Ainda assim, enfrenta uma forte concorrência dos EUA, cuja profundidade de capital tem sido um grande chamariz para empresas chinesas. Apesar das tensões e sanções impostas pelo governo americano, as listagens de companhias chinesas nos EUA ocorrem em ritmo recorde.

No entanto, Bao disse que Hong Kong oferece vantagens, e empresas que optaram por vender ações na cidade este ano têm um volume médio de circulação maior do que aquelas que optaram pelos EUA. “Se os emissores buscam um amplo reconhecimento tanto da China continental quanto do resto do mundo, Hong Kong é o lugar”, afirmou.

As novas regras são o próximo passo depois que, em 2018, a operadora realizou uma grande reforma para permitir que empresas com direito de voto ponderado e firmas de pré-receita do setor de biotecnologia fossem listadas em Hong Kong. Isso trouxe gigantes da tecnologia, como Alibaba, Meituan e Xiaomi, para a cidade e tornou a bolsa o segundo maior centro de captação de fundos para biotecnologia do mundo.

O período de consulta sobre a nova proposta vai até 31 de maio.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.