Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.523,47
    -1.617,17 (-1,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.049,05
    +174,14 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,23
    -2,65 (-3,49%)
     
  • OURO

    1.877,70
    -53,10 (-2,75%)
     
  • BTC-USD

    23.379,79
    +55,88 (+0,24%)
     
  • CMC Crypto 200

    535,42
    -1,43 (-0,27%)
     
  • S&P500

    4.136,48
    -43,28 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    33.926,01
    -127,93 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.616,50
    -230,25 (-1,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5385
    +0,0488 (+0,89%)
     

Twitter terá plano de assinatura sem exibição de anúncios, revela Musk

Elon Musk usou seu perfil oficial e posto de CEO do Twitter para anunciar o lançamento de um plano de assinatura que remove completamente as propagandas da rede social. Embora não haja informações sobre o preço, espera-se que a novidade seja mais cara que o atual Twitter Blue, cujo enfoque são recursos extras e o selo azul.

O objetivo do possível novo plano é livrar o usuário de uma das coisas mais irritantes de qualquer rede social: os anúncios. O preço atual pago na assinatura regular de US$ 8 (cerca de R$ 40 em conversão direta) não é suficiente para superar os custos arrecadados com a publicidade online, por isso Musk já tinha a ideia de criar uma alternativa "mais bombada" do Blue.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Nem mesmo o preço mais elevado pago na assinatura feita pelo iOS e pelo Android (US$ 11) cobre os custos por usuário de uma propaganda exibida atualmente. No caso das lojas apps para celulares, o valor maior é referente à taxação de até 30% sobre as vendas, o que não ocorre na assinatura pelo navegador.

Twitter necessita das propagandas

O bilionário dono do Twitter sempre reclamou da imensa quantidade de anúncios exibidos, mas entendeu a sua importância quando passou a chefiar a plataforma. A principal fonte de renda da rede social vem dos anunciantes, sendo que mais da metade dos grandes players pularam fora do barco desde que Musk assumiu, então a situação parece ser meio crítica por lá.

Criar mais um modelo de assinatura pode reduzir a dependência de verbas publicitárias, mas esbarra na falta de atrativos para o usuário. Será que um assinante do Blue estaria disposto a gastar mais alguns dólares extras para evitar os anúncios? Só vai dar para saber quando ocorrer a disponibilização do "plano ads free".

O Twitter ainda trabalha em soluções extras para convencer as pessoas de que assinar o Blue é uma boa pedida, como os tuítes de 4 mil caracteres e o suporte a upload de vídeos com até 60 minutos. Na semana passada, o Passarinho Azul lançou um plano anual que dá desconto de até 36% para quem pagar tudo de uma vez.

Não há uma data de lançamento do modelo otimizado de assinatura. Aqui no Brasil, nem mesmo o Twitter Blue original chegou, por isso é difícil pensar que o plano sem ads chegará por aqui.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: