Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.672,26
    +591,91 (+0,60%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.741,50
    +1.083,62 (+2,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    107,06
    +2,79 (+2,68%)
     
  • OURO

    1.828,10
    -1,70 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    21.246,64
    +193,55 (+0,92%)
     
  • CMC Crypto 200

    462,12
    +8,22 (+1,81%)
     
  • S&P500

    3.911,74
    +116,01 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    31.500,68
    +823,32 (+2,68%)
     
  • FTSE

    7.208,81
    +188,36 (+2,68%)
     
  • HANG SENG

    21.719,06
    +445,19 (+2,09%)
     
  • NIKKEI

    26.491,97
    +320,72 (+1,23%)
     
  • NASDAQ

    12.132,75
    +395,25 (+3,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5524
    +0,0407 (+0,74%)
     

Homo erectus de sítio na China pode ser um dos primeiros humanos a viver na Ásia

Cientistas do Centro Nacional de Investigação sobre Evolução Humana (CENIEH), na Espanha, publicaram, recentemente, um estudo do que pode ser o fóssil humano mais antigo da China. Foram utilizadas técnicas de microtomografia, morfometria geométrica e morfologia clássica para analisar os restos de um maxilar e cinco dentes do crânio do Homo erectus em questão, retirado do sítio de Gongwangling.

O sítio arqueológico em questão fica nas planícies da escarpa norte das montanhas Quinling, na província de Xianxim, centro da China. Quem descobriu o local pela primeira vez foi o cientista Woo Ju-Kang, em 1963, e sua idade foi reavaliada em 2015 por estudos de paleomagnetismo regional. Os fósseis datam de 1,6 milhões de anos atrás, podendo caracterizar um dos primeiros humanos a colonizar o que hoje é a China.

Maxilar e dente do H. erectus que foi, provavelmente, um dos primeiros humanos a viver na China (Imagem: Pan et al./Journal of Human Evolution)
Maxilar e dente do H. erectus que foi, provavelmente, um dos primeiros humanos a viver na China (Imagem: Pan et al./Journal of Human Evolution)

Fósseis hominínios

O estudo dos restos em questão, publicado no periódico científico Journal of Human Evolution, mostra semelhanças entre os dentes de Gongwangling e os de sítios chineses mais recentes, como os de Meipu e da boca do rio Quyuan, mas há variações, o que sugere alguma diversidade entre os H. erectus que colonizaram a Ásia durante o período Pleistoceno.

Há, hoje em dia, uma escassez de informações sobre os primeiros colonizadores da Ásia. Um dos lugares mais prolíficos nesse campo é o sítio de Dmanisi, na República da Geórgia, que traz evidências dos primeiros habitantes do continente, há 2 milhões de anos. Para conseguir conectar os dados do hominínios de Dmanisi com os chineses (que viveram na massa continental de 400 a 800 mil anos atrás), no entanto, são necessários mais dados.

O sítio de Gongwangling, segundo os cientistas, ajuda a preencher esse lapso enorme de tempo e sugere que a Ásia foi habitada por populações sucessivas da espécie H. erectus em diferentes momentos do Pleistoceno.

O crânio em questão tem todas as características da espécie: crânio baixo e bem longo, ossos grossos, parte frontal íngreme, arcos superciliares que formam um tipo de visor duplo sobre os olhos, parietais achatados que formam uma quilha sagital no topo e grossura parietal máxima na base.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos