Mercado fechado
  • BOVESPA

    128.405,35
    +348,13 (+0,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.319,57
    +116,77 (+0,23%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,50
    +0,46 (+0,65%)
     
  • OURO

    1.763,90
    -10,90 (-0,61%)
     
  • BTC-USD

    35.937,35
    -2.019,65 (-5,32%)
     
  • CMC Crypto 200

    888,52
    -51,42 (-5,47%)
     
  • S&P500

    4.166,45
    -55,41 (-1,31%)
     
  • DOW JONES

    33.290,08
    -533,37 (-1,58%)
     
  • FTSE

    7.017,47
    -135,96 (-1,90%)
     
  • HANG SENG

    28.801,27
    +242,68 (+0,85%)
     
  • NIKKEI

    28.964,08
    -54,25 (-0,19%)
     
  • NASDAQ

    14.103,00
    -62,50 (-0,44%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0361
    +0,0736 (+1,23%)
     

Homens e COVID: o que a taxa de testosterona tem a ver com casos graves?

·3 minuto de leitura

Na pandemia da COVID-19, médicos e pesquisidores ainda investigam muitas questões sobre o comportamento do coronavírus SARS-CoV-2 no organismo humano. Diante desse cenário, um recente estudo norte-americano verificou que existe uma relação entre homens com níveis baixos de testosterona e uma maior probabilidade de desenvolver um quadro mais grave da doença.

Publicado na plataforma JAMA Network Open, o preprint — artigo sem revisão pelos pares — identificou que, em casos graves da COVID-19, a tendência é que os homens internados apresentem menores índices de testosterona e que este hormônio contínua a cair conforme o quadro da infecção viral avança.

Contração de testosterona e gravidade da COVID-19 pode ter relação em homens (Imagem: Reprodução/Anna Shvets/Pexels)
Contração de testosterona e gravidade da COVID-19 pode ter relação em homens (Imagem: Reprodução/Anna Shvets/Pexels)

Inclusive, a taxa do hormônio pode ser um indicador do nível da inflamação causada pela doença e da possibilidade de óbito. No entanto, não foi definido se os níveis caem em decorrência do coronavírus ou se a menor concentração favorece o agravamento da doença.

Estudo avaliou concentração de testosterona e a COVID-19

Para investigar a relação entre a testosterona e a gravidade da COVID-19, o grupo de pesquisadores coletou amostras de sangue de 90 homens e 62 mulheres que foram atendidos no Hospital Barnes-Jewish, em Saint Louis, nos EUA. Estas pessoas tiveram diagnóstico confirmado para a infecção do coronavírus e tinham a idade média de 63 anos.

Dos 152 pacientes, 143 foram internados no hospital e, assim, os médicos puderam acompanhar melhor a evolução da doença. Além da primeira coleta, foram retiradas amostras de sangue daqueles que estiveram hospitalizados em outros quatro momentos: o terceiro, o sétimo, o décimo quarto e vigésimo oitavo dia de internação. Assim, foi possível estabelecer uma linha evolutiva da concentração de testosterona nos pacientes.

Nas mulheres, o estudo não conseguiu estabelecer nenhuma ligação entre a gravidade da COVID-19 e os níveis dos hormônios analisados, como estrogênio e testosterona. Agora, nos homens, os níveis de testosterona podiam apontar para a gravidade da doença.

Relação entre testosterona e gravidade da infecção

Segundo a pesquisa, os homens internados em estado grave tinham um nível médio de testosterona de 52 ng/dl, enquanto aqueles com doença menos grave tinham uma média de 151 ng/dl de testosterona. Para entender, 250 ng/dl do hormônio já é considerada uma porcentagem baixa para homens adultos.

Já no terceiro dia de hospitalização, o nível médio de testosterona de quem estava internado com a COVID-19 grave caiu para 19 ng/dl. Na conclusão do estudo, 37 dos pacientes acompanhados faleceram em decorrência da doença, sendo que 25 eram homens. Além disso, a queda no nível de testosterona foi relacionada a níveis mais altos de inflamação no organismo.

Na vida real, "homens com COVID-19 que não estavam gravemente doentes no início, mas apresentam baixos níveis de testosterona, provavelmente precisarão de cuidados intensivos ou de intubação nos próximos dois ou três dias", afirmou o pesquisador Sandeep Dhindsa, endocrinologista da Universidade de Saint Louis e principal autor do artigo. "Os níveis mais baixos de testosterona parecem prever quais pacientes provavelmente ficarão muito doentes nos próximos dias", completou o médico sobre a descoberta.

Para acessar o preprint sobre a testosterona e a gravidade de casos da COVID-19 em homens, publicado na plataforma JAMA Network Open, clique aqui.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos