Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.013,47
    +1.345,81 (+1,26%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.823,23
    -408,97 (-0,77%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,00
    -0,96 (-1,10%)
     
  • OURO

    1.843,20
    0,00 (0,00%)
     
  • BTC-USD

    41.733,58
    -665,57 (-1,57%)
     
  • CMC Crypto 200

    989,02
    -5,73 (-0,58%)
     
  • S&P500

    4.532,76
    -44,35 (-0,97%)
     
  • DOW JONES

    35.028,65
    -339,82 (-0,96%)
     
  • FTSE

    7.589,66
    +26,11 (+0,35%)
     
  • HANG SENG

    24.127,85
    0,00 (0,00%)
     
  • NIKKEI

    27.481,78
    +14,55 (+0,05%)
     
  • NASDAQ

    15.023,00
    -10,50 (-0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1797
    +0,0123 (+0,20%)
     

Homem vence coronavírus após 42 dias em coma e fatura Mega-Sena

·2 min de leitura
O analista de sistemas Rogério Maria, recuperado do coronavírus e sorteado na Mega-Sena da Virada

O analista de sistemas Rogério Maria pode se considerar um sujeito de sorte. Depois de ter contraído o novo coronavírus e passado 68 dias internado, 42 destes em coma induzido, recebeu alta médica e ganhou em um bolão parte do prêmio da Mega-Sena da Virada em 2020.

Leia também:

Em entrevista ao portal G1, o homem de 51 anos diz que teve pneumonia e infecção bacteriana em decorrência da baixa imunidade. Precisou de uma traqueostomia e chegou a ficar com 80% dos pulmões comprometidos. Ainda apresentou trombose generalizada e foi submetido a 28 dias de hemodiálise.

“Minha família foi chamada duas vezes para se despedir de mim, porque os médicos não acreditavam na recuperação”, disse o analista de sistemas, que é pai de dois filhos.

Rogério foi infectado em julho, pico da primeira onda da pandemia. A piora no quadro veio rápido e ele ficou hospitalizado na Casa de Saúde de Campinas. Ele foi para casa em setembro com 27 kg a menos, queda de cabelo e a pele escurecida pelos remédios que tomou. Teve perda de memória recente e lesões nos nervos periféricos das duas pernas, que impossibilitariam qualquer movimento por seis meses, segundo a previsão médica.

Durante o coma, a família realizou um pedido de auxílio por internação médica ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), mas foi negado. A justificativa do órgão, segundo Rogério, foi que ele estaria apto a trabalhar, mesmo com o atestado de coma expedido pelo hospital.

Após novas tentativas, recebeu, até o momento, apenas uma parcela do valor a que teria direito. Procurado pelo portal G1, o INSS informou estar analisando o caso para que os valores devidos sejam pagos corretamente. Alegou que a documentação enviada em agosto não estava de acordo com o necessário e que a perícia de Rogério está agendada para 31 de março.

"Na avaliação presencial, a perícia médica vai verificar a data de início da incapacidade, podendo definir o pagamento retroativo do auxílio.", informou o órgão.

Em dezembro, a família recorreu a uma vaquinha online para ajudar nas despesas com o tratamento e participou de um bolão da Mega-Sena da Virada. O grupo no qual Rogério estava acertou cinco dezenas, e cada um recebeu o valor líquido de R$ 7.325,26.

Rogério restabeleceu a capacidade pulmonar e rarecuperou 13 kg. Atualmente, já consegue pular, correr e fazer exercícios de força com o auxílio de fisioterapia.

“Aprendi a viver mais feliz. Mesmo com todas essas sequelas, mas ainda vou superá-las. Não desisti e não desisto jamais”, disse Rogério. ”Sou um cara alegre, estou voltando a sorrir. É uma batalha diária e minha superação está acontecendo. Tudo isso me fez dar valor às pequenas coisas da vida”, concluiu ao portal G1.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos