Mercado abrirá em 5 h 54 min
  • BOVESPA

    108.523,47
    -1.617,53 (-1,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.049,05
    +174,15 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,58
    +0,19 (+0,26%)
     
  • OURO

    1.889,80
    +13,20 (+0,70%)
     
  • BTC-USD

    22.789,21
    -597,06 (-2,55%)
     
  • CMC Crypto 200

    523,00
    -13,86 (-2,58%)
     
  • S&P500

    4.136,48
    -43,28 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    33.926,01
    -127,89 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.285,95
    -374,52 (-1,73%)
     
  • NIKKEI

    27.678,35
    +168,89 (+0,61%)
     
  • NASDAQ

    12.562,00
    -62,00 (-0,49%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5394
    +0,0009 (+0,02%)
     

Homem toma 40 mil comprimidos de ecstasy e espanta a medicina

Homem toma 40 mil comprimidos de ecstasy e espanta a medicina
Homem toma 40 mil comprimidos de ecstasy e espanta a medicina

Em 2006, a revista Psychosomatics publicou uma matéria sobre um homem, chamado apenas de Sr. A, que tinha tomado 40 mil comprimidos de ecstasy ao longo de nove anos. O artigo fez sucesso e a vítima se tornou uma lenda entre os mais jovens. Coautor da publicação, o Dr. Christos Kouimtsidis resgatou o assunto em entrevista recente e explicou o motivo do caso ser tão atraente mesmo uma década depois.

À revista de moda britânica The Face, Kouimtsidis detalhou como Sr. A iniciou sua relação com os comprimidos de ecstasy e quando tudo fugiu de seu controle.

Leia mais!

No começo, o homem tomava cinco “balas”, como a droga é conhecida no Brasil, por fim de semana. Segundo o psiquiatra, essa dose já é altíssima. Em seguida, a vítima aumentou a dosagem para quase 4 comprimidos de ecstasy por dia e permaneceu assim por três anos, até atingir seu ápice: 25 comprimidos diários por quatro anos.

“Esse foi um caso excepcional de alto uso por um período prolongado de tempo. O uso típico não é todo dia e nem a quantidade de comprimidos que ele estava tomando. Foi extremo, seu uso foi muito, muito alto”, explicou Kouimtsidis.

Sr. A utilizava outras drogas juntos com ecstasy, incluindo maconha. Essa, porém, ele parou sete anos antes da equipe da St. George’s Medical School, em Londres (Inglaterra), começar a conduzir seu caso. A “bala”, contudo, foi a droga que mais agiu sobre sua memória.

ecstasy
Comprimidos de ecstasy. Imagem: Shutterstock

“Você não pode dizer 100 por cento”, disse o psiquiatra à revista, “mas podemos atribuir com segurança as dificuldades de memória que ele experimentou quando o vi ao uso pesado de ecstasy por um período prolongado de tempo”.

A interrupção do uso dos comprimidos de ecstasy, acompanhada pela equipe de Kouimtsidis, gerou abstinência no Sr. A, o que ocasionou diversos quadros de sintomas mesmo anos após sua última ingestão da droga.

Ao todo, a vítima sofreu com visão turva, ataques de pânico graves, ansiedade recorrente, depressão, rigidez muscular, alucinações e paranoia, além de problemas de memória de curto prazo, desorientação temporal e falta de concentração.

E por que o Sr. A usou tanto ecstasy assim? “Era mais para administrar seu humor do que para excitação e diversão… usava ecstasy como se fosse um antidepressivo”, revelou Kouimtsidis.

Sr. A continuou no anonimato e, graças ao estudo da equipe da St. George’s Medical School, conseguiu se curar.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!