Mercado fechado
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,45 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,09 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,22
    -0,28 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.782,10
    +21,40 (+1,22%)
     
  • BTC-USD

    49.049,70
    -3.154,09 (-6,04%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.367,14
    -74,62 (-5,18%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,71 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.766,69
    -22,24 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    28.029,57
    +276,20 (+1,00%)
     
  • NASDAQ

    15.687,50
    -301,00 (-1,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3953
    +0,0151 (+0,24%)
     

Homem procura polícia após ser removido de grupo no WhatsApp no MS

·1 min de leitura
Homem procura polícia após ser removido de grupo no WhatsApp no MS
Homem procura polícia após ser removido de grupo no WhatsApp no MS

Os grupos no WhatsApp fazem parte da vida de quase todo mundo e hoje já são praticamente uma extensão das interações no mundo real. No entanto, a remoção de um membro em um grupo no aplicativo acabou virando caso de polícia no Mato Grosso do Sul, na última quinta-feira (21).

Segundo o G1, o homem de 39 anos compareceu em uma delegacia após ser tirado de um grupo no WhatsApp. De acordo com a polícia, o sujeito alegou que foi tirado pois suas opiniões eram diferentes das da administradora do grupo.

Discussão em grupo do WhatsApp

O grupo é ligado a um sindicato de técnico de nível superior de uma universidade pública. O homem contou que na terça-feira (19), houve uma discussão sobre um posicionamento da categoria, e ele foi removido do ambiente virtual após discordar da presidente.

Depois do ocorrido, ele fez um boletim de ocorrência como preservação de direito por entender que por ser parte do sindicato, tem a necessidade de estar presente no grupo oficial, já que ali são discutidos assuntos importantes da classe.

Esse tipo de boletim de ocorrência é considerado não criminal e serve para registrar um “fato atípico”. O caso foi registrado na Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário (Depac) de Dourados.

Leia mais:

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos