Mercado fechará em 3 h 27 min

Homem perde R$ 55 mil em falso leilão na Bahia

Vítima só percebeu o golpe ao ver as diferenças entre a página oficial do leilão e a que havia sido criada para aplicar a fraude (Getty Creative)
Vítima só percebeu o golpe ao ver as diferenças entre a página oficial do leilão e a que havia sido criada para aplicar a fraude (Getty Creative)
  • Homem resolveu dar o lance mesmo sem checar o veículo pessoalmente

  • Veículo avaliado em R$ 100 mil estava custando metade do preço no leilão

  • A cada 17 segundos uma tentativa de golpe é aplicada no Brasil

Um morador do estado da Bahia descobriu que foi vítima de um golpe ao comprar um carro através de um falso leilão e sofreu um prejuízo de R$ 55 mil.

Segundo o portal G1, o homem, que não quer ser identificado, encontrou um anúncio de um veículo avaliado em R$ 100 mil, mas que via leilão estava custando metade do preço. No site do falso evento, ele viu que o período de visitação havia finalizado e o prazo para encerrar o leilão estava próximo do fim, mas resolveu dar o lance mesmo sem checar o veículo pessoalmente. Ele só percebeu o golpe ao ver as diferenças entre a página oficial do leilão e a que havia sido criada para aplicar a fraude.

"Eu pedi para minha irmã, que mora próximo, certificar que o veículo estava no pátio, já que eles não só copiam a interface de um site real, mas também reproduzem o endereço físico no site. Então ela foi lá e foi informada que o documento não correspondia à empresa. Que era um golpe. Que muitas outras pessoas já passaram pela mesma situação", disse o homem à reportagem.

O caso foi registrado na delegacia e é investigado pela Polícia Civil.

Como se prevenir

Segundo levantamento realizado pela Serasa no início de 2022, a cada 17 segundos uma tentativa de golpe é aplicada no Brasil.

Confira as seis dicas do Serasa para evitar fraudes na internet:

1. Desconfie de links de origem desconhecida, mesmo quando enviados por pessoas conhecidas: aplicativos mensageiros (como WhatsApp e Telegram) e e-mails são as origens mais comuns de links maliciosos. Antes de clicar, certifique-se sobre a veracidade do conteúdo.

2. Na dúvida, não clique: muitas mensagens despertam gatilhos emocionais nas vítimas, como solidariedade, curiosidade, facilidade, benefícios e outros. Podem ser mensagens do tipo "Sua fatura do mês chegou" ou "Temos uma oferta imperdível". Na dúvida, não clique.

3. Verifique a segurança e autenticidade dos sites de navegação: o crime do furto de dados pessoais pode começar em uma promoção tentadora que remete a uma tela falsa. Um site falso costumeiramente é difícil de ser identificado justamente porque simula a página real. Neste caso, é preciso estar atento a três elementos no endereço eletrônico: se tem o https na URL, o cadeado na barra de navegação e a inscrição site seguro. Se não encontrar, desconfie.

4. Atenção ao "check" de verificado: sempre que entrar em contato com uma empresa verifique se os perfis nas redes sociais têm o "check" verificado ao lado do nome da empresa. Cuidado para não confundir o símbolo oficial, que no Instagram é azul e no WhatsApp é verde, com emojis semelhantes.

5. Cuidado com dados pessoais: não forneça seus dados por meio de e-mail, WhatsApp ou redes sociais, muito menos senhas bancárias, que são de uso privado e exclusivo.

6. Compra on-line? Prefira o cartão virtual: depois que estiver com seu cartão de crédito em mãos e for realizar uma compra on-line, prefira sempre que possível usar o cartão de crédito virtual, disponível no aplicativo das instituições bancárias e que tem dados diferentes para cada transação. Dessa forma, você vai minimizar as chances de sofrer uma fraude, já que não vai disponibilizar as informações de seu cartão físico.