Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,91 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,62 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,96
    -0,65 (-0,90%)
     
  • OURO

    1.753,90
    -2,80 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    48.122,82
    +782,57 (+1,65%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.193,48
    -32,05 (-2,62%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,44 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.963,64
    -63,84 (-0,91%)
     
  • HANG SENG

    24.920,76
    +252,91 (+1,03%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,71 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.530,00
    +12,25 (+0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1994
    +0,0146 (+0,24%)
     

Homem investe R$ 500 mil em criptomoedas e perde tudo 8 minutos depois

·4 minuto de leitura
Criptomoeda Tether segurada por alicate e bandeira da Argentina
Criptomoeda Tether segurada por alicate e bandeira da Argentina

Um trader iniciante de Bitcoin argentino perdeu R$ 510 mil em Tether para um falso corretor que disse ser um representante da Lemon Cash, empresa que nos últimos dias recebeu um grande investimento..

Muitas pessoas que buscam investir em criptomoedas chegam no mercado sem estudo prévio do funcionamento da tecnologia. O uso correto de carteiras, por exemplo, é uma das falhas de grande parte dos iniciantes que acabam deixando seus recursos até em corretoras.

E na Argentina o trade de Bitcoin é uma prática crescente e as criptomoedas são até alvo de uma lei que pode legalizar o pagamento de salários com elas.

Mas quando traders resolvem enviar as criptomoedas para uma carteira alguns ainda falham na manipulação destes dispositivos. Dessa forma, acabam correndo o risco de perder tudo em golpes, que poderiam ser evitados com um pouco mais de estudo sobre o assunto.

Trader argentino perde US$ 100 mil em Tether após confiar em falso corretor

De acordo com o portal de notícias Infobae, um trader de criptomoedas que operava apenas por corretoras resolveu fazer um novo aporte no mercado no final de junho de 2021, procurando assim um vendedor P2P especializado para lhe ajudar. Afirmando ser um representante da fintech Lemon Cash, famosa no país, um homem ofereceu seus serviços.

Como o trader argentino não tinha conhecimento de negociações P2P, ele foi presencialmente até a “corretora” para comprar US$ 100 mil em Tether.

O atendente disse que só poderia lhe enviar o valor em USDT caso o cliente tivesse uma Trust Wallet, não sendo possível transacionar o valor para sua conta da Binance, como o comprador queria.

O trader iniciante afirma ter desconfiado, mas como o homem se apresentava um negociante de longa data, acabou confiando. Só que ele não sabia como instalar e configurar a Trust Wallet em seu dispositivo, momento em que o corretor pediu seu celular para realizar a ação.

Após instalar a Trust Wallet para seu cliente, o homem recebeu os US$ 100 mil e enviou para ele 100 mil USDT no aplicativo recém-instalado. O cliente foi embora satisfeito com sua aquisição, mas ao chegar em casa verificou que seu saldo estava zerado.

O homem até procurou o vendedor para questionar se ele sabia o que aconteceu, sendo informado que havia sido alvo de um ataque hacker. O negociante P2P disse que não poderia ajudar mais como não teve relação com a falha.

Ataque QRLJacking é a suspeita da vítima

O cliente acredita que foi alvo de um ataque QRLJacking, que acontece através de engenharia social, com o bandido obtendo acesso a um Código QR que lhe dá acesso a informações sensíveis.

No caso da Trust Wallet, a carteira permite que a chave privada se torne um código QR. A vítima ficou apenas 8 minutos com seu dinheiro digital.

O homem passava credibilidade ao afirmar ser um investidor da Lemon Cash, mas a vítima perdeu tudo e não conseguiu recuperar nada até hoje.

Homem foi investidor de Lemon Cash há dois anos, mas empresa negou ter qualquer relação com ele e nem ser responsável por suas atitudes no mercado

A Lemon Cash chamou atenção nos últimos dias ao receber um investimento no mercado, que possibilitará melhorar seus negócios. Na Argentina, a corretora é conhecida na comunidade de criptomoedas e tem muitos clientes.

Mas quando os rumores do golpe surgiram no mercado, a empresa enviou um comunicado ao público argentino sobre o homem que estaria afirmando ter relações com a empresa. De acordo com a Lemon Cash, mesmo que o suspeito tenha sido um investidor do negócio há dois anos, ele nunca representou os interesses da empresa, não sendo empregado nem consultor.

A Lemon Cash ainda declarou que nunca pediu aos seus usuários que fizessem transações fora da plataforma, assim como não pede informações pessoais a ninguém. Além disso, declarou nunca instalar aplicativos a pedidos de terceiros.

Lemon Cash comunicou que homem não tem relação com eles, mas confirmou que ele foi investidor
Lemon Cash comunicou que homem não tem relação com eles, mas confirmou que ele foi investidor/Twitter

Pelo Twitter, o acusado de operar o golpe no mercado argentino afirmou não ter relação com o caso, sendo que apenas atuou como corretor e intermediou corretamente um negócio para um cliente.

Homem acusado de operar golpe nega acusações
Homem acusado de operar golpe nega acusações/Twitter

Apesar da negativa, a vítima contou ao Infobae que este corretor foi o único a manipular seu celular na data em que foi roubado, operação que demorou apenas 8 minutos após a compra.

Agora, mais de um mês após o possível golpe sofrido pelo argentino com seu investimento em Tether, o Ministério Público argentino recebeu uma denúncia da vítima, que pede por investigações sobre o caso.

Fonte: Livecoins

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos