Mercado fechado
  • BOVESPA

    114.647,99
    +1.462,52 (+1,29%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.798,38
    +658,14 (+1,26%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,66
    +1,35 (+1,66%)
     
  • OURO

    1.768,10
    -29,80 (-1,66%)
     
  • BTC-USD

    60.690,45
    -1.370,64 (-2,21%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.464,06
    +57,32 (+4,07%)
     
  • S&P500

    4.471,37
    +33,11 (+0,75%)
     
  • DOW JONES

    35.294,76
    +382,20 (+1,09%)
     
  • FTSE

    7.234,03
    +26,32 (+0,37%)
     
  • HANG SENG

    25.330,96
    +368,37 (+1,48%)
     
  • NIKKEI

    29.068,63
    +517,70 (+1,81%)
     
  • NASDAQ

    15.144,25
    +107,00 (+0,71%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3297
    -0,0741 (-1,16%)
     

Após 31 anos de contribuição, cobrador de ônibus espera há 5 anos por aposentadoria

·2 minuto de leitura
Foto: Getty Images.
Foto: Getty Images.
  • Jariumberto Souza Mendes, cobrador de ônibus, está há cinco anos na fila para se aposentar;

  • O homem, de 53 anos, espera se aposentar por tempo de contribuição de pessoa com deficiência;

  • Ao todo, são 31 anos de contribuição e dois de insalubridade.

Jariumberto Souza Mendes, 53 anos, cobrador de ônibus e morador do Jardim do Portal, zona norte de São Paulo, está esperando sua aposentadoria pelo tempo de contribuição de pessoa com deficiência desde 2016. O segurado teve poliomielite quando criança, tendo sua mobilidade reduzida.

Com 31 anos de contribuição e dois de insalubridade, o cobrador encontra dificuldades com o INSS (Instituto Nacional do Seguro Social), que negou a solicitação alegando que o tempo de recolhimento não seria suficiente para conceder o benefício.

Leia também:

Mendes afirma que deu entrada no pedido em 2016. O processo foi indeferido e, como efeito, o cobrador diz que entrou com um pedido judicial para comprovar sua deficiência. Contudo, o INSS não o convocou até o momento para a perícia.

A lei explicita que pessoas com deficiência têm direito à aposentadoria caso tenham contribuído pelo menos com 25 anos.

Em benefício pela idade, o deficiente dever ter 60 anos, sendo homem, e 55 anos, se for mulher, incluindo pelo menos 15 anos de contribuição e 15 de deficiência.

O cobrador de ônibus afirma que, de acordo com o poder público, seu posto ocupado atualmente está garantido até 31 de dezembro deste ano. Mendes diz não saber como se sustentará depois, e espera receber uma aposentadoria suficiente para sobreviver.

O INSS comunicou em nota que não localizou a ação judicial de Mendes. Enquanto isso, o recurso administrativo foi negado no dia 15 de dezembro de 2019, após ser julgado pela 3ª Câmara de Julgamento do Conselho de Recursos da Previdência Social.

Contudo, não se cabe recurso, já que a via recursal administrativa foi esgotada. Mendes pode conseguir a decisão do Conselho de Recursos da Previdência Social através da plataforma Meu INSS e pelo telefone 135.

As informações são do Agora São Paulo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos