Mercado abrirá em 4 h 40 min
  • BOVESPA

    106.927,79
    +1.397,79 (+1,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.744,92
    -185,48 (-0,34%)
     
  • PETROLEO CRU

    84,36
    +0,54 (+0,64%)
     
  • OURO

    1.819,30
    +2,80 (+0,15%)
     
  • BTC-USD

    42.857,60
    -366,14 (-0,85%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.030,83
    +5,10 (+0,50%)
     
  • S&P500

    4.662,85
    +3,82 (+0,08%)
     
  • DOW JONES

    35.911,81
    -201,79 (-0,56%)
     
  • FTSE

    7.542,95
    -20,90 (-0,28%)
     
  • HANG SENG

    24.166,51
    -216,81 (-0,89%)
     
  • NIKKEI

    28.333,52
    +209,24 (+0,74%)
     
  • NASDAQ

    15.560,50
    -35,25 (-0,23%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3123
    -0,0051 (-0,08%)
     

Homem é condenado por matar enteada de 2 anos asfixiada na Zona Oeste do Rio

·2 min de leitura

RIO - O Conselho de Sentença do 4º Tribunal do Júri da Capital condenou nesta terça-feira, dia 30, Raphael Fernandes Ferreirinha a 24 anos e 10 meses de reclusão, em regime inicialmente fechado, pela morte de sua enteada, Nicolly da Conceição Macedo, de 2 anos, na manhã de 19 de janeiro, em uma casa na comunidade de Rio das Pedras, na Zona Oeste do Rio.

De acordo com a denúncia do Ministério Público, Raphael estaria desempregado e cuidava da menina e de seu irmão, de 7 anos, enquanto sua companheira, Nataly da Conceição de Macedo, trabalhava. Ao acordar, por volta de 9h30, a vítima chorou e gritou pela manhã. Por estar incomodado, ele apertou seu pescoço e bateu com sua cabeça no chão.

De acordo com a denúncia do Ministério Público, o padrasto cuidava da criança enquanto sua companheira, mãe da menina, trabalhava. Ele teria se irritado com o choro de Nicolly e a teria matado asfixiada.

Durante o julgamento, Nataly relatou seu sofrimento e disse que passou a tomar antidepressivos após a morte da criança.

De acordo com as investigações da Polícia Civil, a avó da criança foi a responsável por registrar o caso. Ela contou que foi informada do crime por uma ligação da filha. Nataly foi procurada, também por telefone, por Raphael. Ao retornar para casa onde morava a família, não o encontrou.

Em depoimento, a jovem contou que o então companheiro disse que, após a sua saída, Nicolly se debateu na cama, enrolou a língua e colou sangue pela boca. Uma médica de uma Clínica da Família da região foi chamada e atestou o óbito da menina. A médica desconfiou de causas externas e acionou a Polícia Civil.

No exame de necropsia, peritos do Instituto Médico-Legal (IML) confirmou que ela sofreu asfixia mecânica e traumatismo craniano com hemorragia.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos