Mercado abrirá em 6 h 35 min
  • BOVESPA

    109.951,49
    +2.121,77 (+1,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.125,01
    -210,50 (-0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,45
    -0,02 (-0,03%)
     
  • OURO

    1.891,40
    +0,70 (+0,04%)
     
  • BTC-USD

    22.568,16
    -682,69 (-2,94%)
     
  • CMC Crypto 200

    519,49
    -17,40 (-3,24%)
     
  • S&P500

    4.117,86
    -46,14 (-1,11%)
     
  • DOW JONES

    33.949,01
    -207,68 (-0,61%)
     
  • FTSE

    7.885,17
    +20,46 (+0,26%)
     
  • HANG SENG

    21.365,47
    +81,95 (+0,39%)
     
  • NIKKEI

    27.574,34
    -32,12 (-0,12%)
     
  • NASDAQ

    12.592,25
    +47,00 (+0,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5770
    +0,0096 (+0,17%)
     

Home office supera trabalho híbrido entre usuários do LinkedIn, diz pesquisa

***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 08.02.2019 - Still de mãos segurando um notebook (computador portátil). (Foto: Gabriel Cabral/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 08.02.2019 - Still de mãos segurando um notebook (computador portátil). (Foto: Gabriel Cabral/Folhapress)

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - A jornada de trabalho 100% remota (home office) supera a modalidade híbrida (parte presencial, parte remota) entre profissionais que utilizam o LinkedIn.

A conclusão é de uma pesquisa da agência Gombo, que desenvolve projetos focados para essa plataforma.

O levantamento entrevistou 2.977 usuários do LinkedIn, incluindo profissionais das cinco grandes regiões do país e brasileiros que vivem no exterior.

A parcela que relatou trabalhar de maneira 100% remota chegou a 26,5% (788). Enquanto isso, a fatia com jornada híbrida foi de 24,5% (730).

Esta é a primeira edição da pesquisa, o que inviabiliza a comparação com períodos anteriores, segundo Erih Carneiro, cofundador da Gombo.

Mesmo assim, diz Carneiro, os números sinalizam que essas modalidades "vieram para ficar" após o impulso na pandemia de Covid-19, que causou restrições à mobilidade.

"A pandemia definitivamente mudou o cenário, a forma como as pessoas veem a relação com o trabalho remoto e como as empresas veem isso."

Na visão de Carneiro, as companhias ainda estão se adaptando ao modelo híbrido, enquanto o home office já está mais difundido, o que ajuda a entender a parcela um pouco mais elevada de profissionais totalmente remotos.

"Na pandemia, teve um momento em que quase todo mundo foi para casa. Depois, deu uma acalmada, as pessoas foram para o trabalho uma ou duas vezes por semana. As empresas ainda estão entendendo como isso vai acontecer [modalidade híbrida]."

Mesmo com o estímulo a esses tipos de jornada na crise sanitária, os trabalhadores que atuam de maneira totalmente presencial ainda formam a maioria dos entrevistados pelo estudo. A parcela que exerce as suas funções somente na sede das empresas foi de 32,5% (967).

Segundo a pesquisa, outros 16,4% (488) responderam que não estavam trabalhando.

A idade média dos entrevistados pelo estudo foi de 37 anos. Os dados também apontam para níveis mais avançados de escolaridade na comparação com os trabalhadores em geral.

Conforme o estudo, 43,4% dos usuários ouvidos possuem especialização ou MBA, e 42,1% têm ensino superior.