Hollande traça como objetivo para 2013 colocar fim na alta do desemprego

Paris, 31 dez (EFE).- O presidente francês, François Hollande, traçou nesta segunda-feira como grande objetivo para 2013 colocar um fim ao aumento do desemprego e começar uma redução do número de desempregados, ao mesmo tempo em que reconheceu que nos primeiros meses de seu mandato houve "sobressaltos e contratempos".

"2012 foi o ano em que iniciamos a recuperação, enquanto 2013 será o ano da mobilização de todos para conseguí-la", destacou Hollande no tradicional discurso presidencial de Nochevieja.

Hollande insistiu em que "todas as forças serão centradas no objetivo de inverter a curva do desemprego daqui a um ano" e para isso, lembrou dos instrumentos que seu governo está utilizando, como os "empregos do futuro", os "contratos de geração" e a reforma da formação profissional.

"Meu primeiro dever, meu único dever é que nosso país avance e que nossa juventude recupere a confiança", assinalou antes de justificar seu compromisso para "restabelecer (as) contas públicas" e a redução do endividamento.

Nesse sentido, Hollande afirmou que "cada euro que seja arrecadado, será acompanhado de uma luta drástica para reduzir os gastos públicos". O presidente não fez referência, em todo caso, à meta de deixar o déficit público em 2013 em 3% do Produto Interno Bruto (PIB).

Hollande admitiu que desde sua eleição, houve "sobressaltos e contratempos", e falou do imposto de 75% aos que ganham mais de um milhão de euros ao ano, que foi censurado pela Constituição.

O presidente socialista assegurou irá voltar a lutar por esse imposto fiscal.

Sobre a reforma laboral, Hollande disse que tem confiança na negociação que está sendo realizada pelos sindicatos e a patronal, que têm até janeiro como prazo.

Hollande, que pronunciou um discurso breve e solene de menos de dez minutos centrado na crise e na atualidade econômica, acrescentou que se não houver acordo entre as duas partes em janeiro, assumirá suas responsabilidades, o que dá a entender que o Executivo legislará. EFE

Carregando...