Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.880,82
    +1.174,91 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.219,26
    +389,95 (+0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,51
    +1,69 (+2,65%)
     
  • OURO

    1.844,00
    +20,00 (+1,10%)
     
  • BTC-USD

    49.792,80
    +278,67 (+0,56%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.395,66
    +37,10 (+2,73%)
     
  • S&P500

    4.173,85
    +61,35 (+1,49%)
     
  • DOW JONES

    34.382,13
    +360,68 (+1,06%)
     
  • FTSE

    7.043,61
    +80,28 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,90 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.398,00
    +297,75 (+2,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4040
    -0,0085 (-0,13%)
     

Holanda anuncia fim de toque de recolher e reabertura parcial de cafés em 28 de abril

·1 minuto de leitura
Ruas vazias no centro de Rotterdam em 16 de fevereiro de 2021 durante o toque de recolher implementado para combater a disseminação da covid-19 no país

O primeiro-ministro da Holanda, Mark Rutte, anunciou nesta terça-feira (20) uma flexibilização das medidas contra a covid-19, incluindo a suspensão do toque de recolher e a reabertura parcial das varandas dos cafés, a partir de 28 de abril.

A imposição em janeiro de um toque de recolher, o primeiro desde a Segunda Guerra Mundial, gerou os piores distúrbios no país em décadas.

"É claro que estamos felizes de que isso seja possível novamente porque a sociedade aspira a mais liberdade", disse Rutte em coletiva de imprensa. No entanto, ele alertou que esta é uma "etapa muito cautelosa".

As varandas poderão reabrir entre as 12h00 e as 18h00 e receber no máximo de 50 pessoas ao mesmo tempo, explicou o premier.

Os holandeses estarão autorizados a receber duas pessoas em casa por dia, em vez do limite de uma pessoa estabelecido no momento.

Desde o início da pandemia, a Holanda, com uma população de cerca de 17 milhões de pessoas, registrou mais de 1,3 milhão de infecções e mais de 16 mil mortes devido ao coronavírus.

cvo/bds/es/mb/ic/mvv