Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.669,90
    -643,33 (-0,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.627,67
    -560,48 (-1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,34
    -0,26 (-0,44%)
     
  • OURO

    1.744,10
    -14,10 (-0,80%)
     
  • BTC-USD

    60.371,70
    +1.845,81 (+3,15%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.235,89
    +8,34 (+0,68%)
     
  • S&P500

    4.128,80
    +31,63 (+0,77%)
     
  • DOW JONES

    33.800,60
    +297,03 (+0,89%)
     
  • FTSE

    6.915,75
    -26,47 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    28.698,80
    -309,27 (-1,07%)
     
  • NIKKEI

    29.768,06
    +59,08 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    13.811,00
    +63,25 (+0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7625
    +0,1276 (+1,92%)
     

'Hoje duvido muito das legalidades que possam ser respeitadas', diz Daniel Silveira ao Conselho de Ética

Paulo Capelli
·2 minuto de leitura

Preso desde a terça-feira da semana passada, Daniel Silveira (PSL-RJ) fez um breve pronunciamento ao Conselho de Ética nesta quarta-feira. O parlamentar deveria se manifestar sobre uma representação protocolada no conselho em 2019 pelo próprio partido, o PSL, após gravar clandestinamente uma reunião interna da legenda. Ao sustentar sua defesa por videoconferência, contudo, Silveira direcionou parte de seu discurso para, sem citar nominalmente o Supremo Tribunal Federal, contestar sua prisão. Na semana passada, a Mesa Diretora da Câmara protocolou no conselho uma representação contra Silveira pelas declarações.

— A defesa (na representação movida pelo PSL) é muito simples. Não preciso ampliar. Não preciso insistir. Estou me atendo à legalidade, mas hoje duvido muito das legalidades que possam ser respeitadas — disse, em tom de desabafo, de dentro do batalhão onde está preso, no Rio de Janeiro.

Sobre a representação específica movida por seu próprio partido, Silveira argumentou que já havia sido punido com a suspensão das atividades partidárias e que, portanto, não poderia sofrer nova sanção.

— Há um entendimento da corrente majoritária de que problemas partidários não se enquadram em quebra de decoro parlamentar. Isso deveria estar sendo discutido e levado à frente pelo próprio partido, que é o PSL, tendo em vista que eles têm levado à frente cada tipo de narrativa para conjecturar fatos e execrar tanto a minha imagem quanto a imagem dos parlamentares da base do presidente Bolsonaro.

A participação de Silveira por videoconferência foi autorizada nesta quarta pelo ministro Alexandre de Moras, do Supremo Tribunal Federal. Foi o magistrado que, originalmente, havia expedido o mandado de prisão em flagrante — medida que, posteriormente, veio a ser convalidada pelo plenário da Corte por unanimidade. Ao ser instado a se pronunciar pelo conselho, Silveira questionou se sua defesa seria referente à representação movida pelo PSL ou à mais recente envolvendo as críticas ao STF.

— Pode me nortear do que está acontecendo? Estou um pouco desconectado do mundo.