Mercado abrirá em 4 mins
  • BOVESPA

    119.646,40
    -989,99 (-0,82%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.125,71
    -369,70 (-0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,92
    -0,39 (-0,73%)
     
  • OURO

    1.870,90
    +4,40 (+0,24%)
     
  • BTC-USD

    32.626,32
    -875,77 (-2,61%)
     
  • CMC Crypto 200

    648,39
    -52,23 (-7,45%)
     
  • S&P500

    3.851,85
    +52,94 (+1,39%)
     
  • DOW JONES

    31.188,38
    +257,86 (+0,83%)
     
  • FTSE

    6.747,91
    +7,52 (+0,11%)
     
  • HANG SENG

    29.927,76
    -34,71 (-0,12%)
     
  • NIKKEI

    28.756,86
    +233,60 (+0,82%)
     
  • NASDAQ

    13.341,50
    +47,25 (+0,36%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4219
    +0,0139 (+0,22%)
     

Histórico: Huawei fecha trimestre como a maior fabricante de celulares do mundo

Rubens Eishima
·2 minuto de leitura

Pela primeira vez na história, a Huawei foi a empresa com maior volume de remessas de celulares no mundo todo em um trimestre, segundo dados da consultoria Canalys. A fabricante chinesa quebrou nove anos de domínio da Samsung ou da Apple, com 55,8 milhões de aparelhos distribuídos no segundo trimestre deste ano. Apesar do número representar uma queda de 5% na comparação com o mesmo período em 2019, a antiga líder Samsung registrou uma queda de 30%, fechando o ciclo com 53,7 milhões de celulares fabricantes.

Crônica anunciada

Apesar de inédito, o resultado não chega a surpreender, pois a empresa já tinha registrado números superiores à Samsung em abril e maio, conforme dados publicados por outra consultoria, a Counterpoint.

Impulsionada pela reabertura da economia chinesa, Huawei deixou Samsung para trás (imagem: Canalys)
Impulsionada pela reabertura da economia chinesa, Huawei deixou Samsung para trás (imagem: Canalys)

O resultado foi influenciado fortemente pelo desempenho da marca em seu mercado local, onde registrou um crescimento de 8%. A China corresponde a 70% das remessas da Huawei, que aproveitou bem a reabertura do país em meio à pandemia da COVID-19.

"Se não fosse pela COVID-19, isso não teria acontecido", aposta o analista Ben Stanton. "A Huawei tirou proveito da recuperação econômica chinesa para reanimar sua divisão de smartphones. A Samsung tem uma presença muito pequena na China, com menos de 1% de fatia de mercado, e viu seus mercados-chave, como Brasil, Índia, Estados Unidos e Europa, devastados pelos surtos e restrições subsequentes", completa.

Nem tudo são flores para a empresa, porém, com perspectivas negativas em consequência das restrições impostas pelo governo dos EUA. A proibição ao uso dos aplicativos do Google já afeta a gama de produtos da marca no ocidente, e a restrição de fornecimento de processadores fabricados na TSMC terá impacto até mesmo no mercado chinês.

Mesmo assim, o segundo trimestre de 2020 foi histórico para a Huawei.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: