Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,63 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,59 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,96
    -0,01 (-0,01%)
     
  • OURO

    1.753,90
    +2,50 (+0,14%)
     
  • BTC-USD

    47.630,99
    -508,77 (-1,06%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.193,48
    -32,05 (-2,61%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,42 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.963,64
    -63,84 (-0,91%)
     
  • HANG SENG

    24.920,76
    +252,96 (+1,03%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,75 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.282,75
    -43,25 (-0,28%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1975
    +0,0127 (+0,21%)
     

Heineken vê maior pressão de custos das commodities sobre lucro

·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- A Heineken, segunda maior cervejaria do mundo, faz coro com a rival Anheuser-Busch InBev e dezenas de outras empresas de bens de consumo como Nestlé e Unilever ao alertar que o aumento dos custos das commodities vai reduzir os lucros no curto prazo.

Embora a cervejaria tenha contratos de hedge anuais em vigor que cobrem cerca de 90% de sua exposição à inflação das commodities, o preço do alumínio e do frete está subindo a tal ritmo que a empresa vê um “efeito material” no lucro do próximo ano, disse o diretor financeiro da Heineken, Harold van den Broek, em entrevista por telefone. A Heineken tentará compensar parte do impacto aumentando os preços, afirmou.

É a primeira vez que a empresa enfrenta pressões inflacionárias com tal impacto na última década, disse o CEO Dolf van den Brink em entrevista à Bloomberg TV, ecoando comentários recentes da Unilever. A fabricante do sabonete Dove e do sorvete Ben & Jerry disse que a inflação atual é a mais forte desde a crise financeira de 2008.

A Heineken disse que também venderá menos cerveja em 2021 do que nos anos anteriores à pandemia devido ao impacto da Covid-19 nos principais mercados africanos e asiáticos, mesmo com o lucro do semestre tendo superado as estimativas com a reabertura de bares ao redor do mundo. O fraco desempenho da divisão da Ásia em meio a lockdowns no Sudeste Asiático foi uma “surpresa”, disse o CEO por telefone. Restrições na África do Sul também prejudicaram o resultado, acrescentou.

Ainda assim, a empresa registrou forte receita e volume com a flexibilização das restrições da Covid no primeiro semestre. O crescimento no semestre foi liderado pela cerveja Heineken: os embarques da marca aumentaram cerca de 20% puxados pela demanda de países como Brasil, China, Vietnã e Nigéria. O lucro operacional da Heineken em uma base orgânica subiu para 1,63 bilhão de euros (US$ 1,93 bilhão). Analistas esperavam 1,23 bilhão de euros.

A AB InBev, fabricante da Budweiser, divulgou resultados na semana passada que ficaram abaixo das estimativas devido aos efeitos cambiais e aos custos mais elevados das commodities e marketing.

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos