Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.953,90
    +411,95 (+0,42%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.743,15
    +218,70 (+0,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    108,46
    +2,70 (+2,55%)
     
  • OURO

    1.812,90
    +5,60 (+0,31%)
     
  • BTC-USD

    19.240,62
    -98,24 (-0,51%)
     
  • CMC Crypto 200

    420,84
    +0,70 (+0,17%)
     
  • S&P500

    3.825,33
    +39,95 (+1,06%)
     
  • DOW JONES

    31.097,26
    +321,83 (+1,05%)
     
  • FTSE

    7.168,65
    -0,63 (-0,01%)
     
  • HANG SENG

    21.859,79
    -137,10 (-0,62%)
     
  • NIKKEI

    25.935,62
    -457,42 (-1,73%)
     
  • NASDAQ

    11.610,50
    +81,00 (+0,70%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5587
    +0,0531 (+0,96%)
     

Hedging cresce em Wall Street com dúvidas sobre força do S&P 500

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

(Bloomberg) -- O apetite por risco voltou ao mercado de ações, mas entre os operadores de opções, a preocupação é grande que a liquidação ainda não acabou.

Um dos principais sinais para o mercado de opções - a demanda por hedge contra perdas em ações específicas - mostra que uma queda de sete semanas não esgotou o apetite dos operadores por proteção.

A proporção entre opções de venda e compra de ações na Chicago Board Options Exchange subiu para o nível mais alto desde março de 2020. Embora o apetite por proteção contra queda do S&P 500 tenha diminuído, operadores se protegem contra colapsos de empresas individuais.

Não faltaram exemplos ultimamente. Walmart e Target tiveram seu pior dia desde 1987 em meio a resultados decepcionantes na semana passada. Dollar Tree e Cisco Systems registraram quedas de cerca de 14% em uma única sessão, enquanto a Advance Auto Parts perdeu o mesmo tanto na semana.

O apetite por risco estava em exibição na segunda-feira, com o S&P 500 e o Nasdaq Composite subindo. Mas no mercado de opções, o volume de negociação em contratos que apostam no aumento da volatilidade superou aqueles que apostam na calma por um fator de 2,2, enquanto o volume de opções de venda no SPDR S&P 500 ETF Trust foi 1,8 vezes maior que o volume das de compra.

Para os estrategistas da Jefferies, a incerteza em torno da direção da economia diante de um Federal Reserve hawkish prepara o terreno para mais dor antes que as coisas mudem. Eles analisaram os retornos futuros depois que o S&P 500 caiu 10%, 15%, 20% e 25% em relação às altas anteriores. A análise - que remonta à década de 1950 - mostra que, a menos que o indicador ultrapasse a marca de 25% de liquidação, não chega nem perto de recuperar suas perdas em um ano.

“Há uma chance melhor de o mercado ficar preso na terra de ninguém do que marcar um fundo”, estrategistas da Jefferies, incluindo Andrew Greenebaum, disseram em nota. “Embora alguns possam estar se sentindo mais construtivos (particularmente em ativos de longa duração) após a recente queda, na verdade acreditamos que a atual ação de preço é mais sugestiva de perigo à frente.”

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos