Mercado fechará em 6 mins
  • BOVESPA

    99.811,14
    -1.205,82 (-1,19%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.064,39
    -181,47 (-0,47%)
     
  • PETROLEO CRU

    39,54
    +0,98 (+2,54%)
     
  • OURO

    1.910,60
    +4,90 (+0,26%)
     
  • BTC-USD

    13.620,87
    +513,63 (+3,92%)
     
  • CMC Crypto 200

    270,17
    +8,88 (+3,40%)
     
  • S&P500

    3.396,40
    -4,57 (-0,13%)
     
  • DOW JONES

    27.528,55
    -156,83 (-0,57%)
     
  • FTSE

    5.728,99
    -63,02 (-1,09%)
     
  • HANG SENG

    24.787,19
    -131,59 (-0,53%)
     
  • NIKKEI

    23.485,80
    -8,54 (-0,04%)
     
  • NASDAQ

    11.558,50
    +66,25 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7053
    +0,0648 (+0,98%)
     

Harvard e Yale enfrentam ataques contra critérios raciais

Patricia Hurtado
·2 minutos de leitura

(Bloomberg) -- Conservadores veem a maior chance em décadas de se livrar do critério racial nas admissões às faculdades dos Estados Unidos.

Enquanto manifestantes nos EUA se enfurecem contra políticas e práticas que visam afro-americanos, latinos e outras minorias, algumas das universidades mais prestigiadas do país enfrentam vários processos, que as acusam de desfavorecer a admissão de candidatos asiático-americanos e brancos.

Yale e Harvard se preparam para responder nesta semana a dois desses processos, enquanto mais dois chegam aos tribunais. Os múltiplos esforços para derrotar admissões que visam promover a diversidade racial, que incluem uma ação do Departamento de Justiça do presidente Donald Trump, poderiam levar a cada vez mais conservadora Suprema Corte dos EUA a reavaliar o processo, mesmo em meio aos maiores protestos contra a desigualdade racial e privilégios no país desde a década de 1960.

A Suprema Corte decidiu há mais de quatro décadas no caso Bakke que a raça pode ser considerada como um fator entre muitos na criação de uma classe diversa e tem reafirmado essa postura ao longo dos anos. Agora, com as nomeações de Neil Gorsuch e Brett Kavanaugh por Trump, ao lado de seus colegas conservadores, alguns veem uma chance de derrubar o que argumentam ser preconceito mascarado de equidade.

“Sandra Day O’Connor basicamente opinou que poderíamos ter mais 20 ou 25 anos de programas de ação afirmativa, mas que não durariam para sempre”, disse Linda Chávez, presidente do Center for Equal Opportunity, um grupo conservador que se concentra em raça e etnia. O’Connor especulou sobre esse prazo em 2003, quando escreveu a opinião da maioria do tribunal defendendo o uso da raça nas admissões na Universidade de Michigan.

“E, no entanto, vemos os programas durando para sempre”, disse Chávez. “Agora estamos falando sobre jovens que estão entrando na faculdade com base em alguma preferência racial ou étnica, que são netos de pessoas que tiveram essas preferências pela primeira vez.”

O Departamento de Justiça ameaçou processar a Yale a menos que concorde em suspender o critério racial. “Dividir ilegalmente americanos em blocos raciais e étnicos promove estereótipos, amargura e divisão”, escreveu o governo à universidade em agosto. Yale, que prometeu “defender vigorosamente” um processo “endossado repetidamente pela Suprema Corte”, deve responder nesta semana.

Na quarta-feira, a Harvard vai a um tribunal federal de apelações por causa de um caso que envolve o “equilíbrio racial” ao manter candidatos asiático-americanos em um padrão mais elevado do que outros grupos de minorias. A Harvard nega discriminação e venceu o caso no tribunal distrital federal no fim do ano passado.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.