Mercado fechado

Happy Hour de Marina Peixoto, da Mover, tem comida caseira e vinho

Desde que deixou a Coca-Cola para criar o Mover (Movimento pela Equidade Racial) há pouco mais de um ano, Marina Peixoto não teve muito tempo livre. Mas quando consegue se desligar um pouco do trabalho, a diretora executiva do Mover gosta de apreciar um bom vinho. “Já fiz curso de degustação na Associação Brasileira de Sommeliers”, destaca.

Para acompanhar o vinho, Marina conta que adora a culinária portuguesa, especialmente o bacalhau. “Adoro comida caseira, uma farofinha com couve, mandioquinha frita. Mas em datas especiais eu vou pra cozinha e faço um bacalhau muito bom”, revela.

Atualmente, o livro preferido da executiva é “O pacto da branquitude”, da psicóloga, escritora e ativista Cida Bento. “No processo de criação do Mover, conversei muito com a Cida”, explica Marina. A diretora executiva do Movimento pela Equidade Racial conta que o livro a ajudou a entender qual era seu lugar como uma mulher branca aliada da causa e que vem aprendendo a cada dia. “Indico para todos os meus aliados brancos que estão junto comigo e que querem entrar nessa jornada”, finaliza.

Executiva da Mover não dispensa no Happy Hour uma comida caseira acompanhada de um vinho
Executiva da Mover não dispensa no Happy Hour uma comida caseira acompanhada de um vinho

'Sempre quis algo com impacto social', diz Marina Peixoto, diretora do Mover

Depois de quase 20 anos na Coca-Cola Brasil, Marina Peixoto deixou a empresa em junho do ano passado para se dedicar integralmente ao Mover (Movimento pela Equidade Racial). “Sempre tive uma veia de inovação, de empreendedorismo, de querer transformar. Queria realizar algo que tivesse impacto social”, conta.

Antes de assumir o cargo de diretora executiva do Mover, a trajetória de Marina na gigante de bebidas já apontava para esse caminho Em seus últimos anos na empresa, ela liderou projetos e campanhas de diversidade e inclusão.