Mercado fechará em 1 h 46 min
  • BOVESPA

    122.035,62
    +1.686,82 (+1,40%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.235,58
    +343,30 (+0,75%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,29
    -0,07 (-0,13%)
     
  • OURO

    1.837,40
    +7,50 (+0,41%)
     
  • BTC-USD

    36.173,41
    +114,53 (+0,32%)
     
  • CMC Crypto 200

    703,50
    -31,64 (-4,30%)
     
  • S&P500

    3.768,25
    -27,29 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    30.814,26
    -177,24 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.720,65
    -15,06 (-0,22%)
     
  • HANG SENG

    28.862,77
    +288,91 (+1,01%)
     
  • NIKKEI

    28.242,21
    -276,97 (-0,97%)
     
  • NASDAQ

    12.812,25
    +10,00 (+0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3577
    -0,0349 (-0,55%)
     

Com Covid-19, Mourão está tomando combo de remédios sem eficácia comprovada

·1 minuto de leitura
Foto: Bruna Prado/Getty Images
Foto: Bruna Prado/Getty Images

Após ser diagnosticado com Covid-19, o vice-presidente Hamilton Mourão está fazendo uso de remédios que não têm eficácia comprovada no combate contra o novo coronavírus: hidroxicloroquina, azitromicina e nitazoxanida (Anitta). A informação foi confirmada pela assessoria do general.

Segundo a equipe da Vice Presidência, Mourão também está tomando remédios para febre e dor de cabeça. O diagnóstico do vice foi confirmado na noite deste domingo (27).

Leia também

Também de acordo com sua equipe, o estado de saúde do vice é “bom". Ele está cumprindo isolamento no Palácio do Jaburu.

Com Mourão, a lista de autoridades brasileiras infectadas pelo vírus só aumenta. No Executivo, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) foi diagnosticado em julho. Além dele e do vice, ao menos 13 dos 23 ministros tiveram covid-19, entre eles Eduardo Pazuello, ministro da Saúde.

O governo Bolsonaro é criticado mundialmente pela gestão da pandemia no país. O Brasil se aproxima dos 200 mil mortos pela Covid-19 e não há data previsão oficial para o início da vacinação no país. Eduardo Pazuello ventilou a possibilidade de que a imunização em massa da população brasileira comece em fevereiro.

Autor de diversas falas públicas contra a vacina, Bolsonaro é, por outro lado, entusiasta de remédios que não possuem comprovação científica para combater o vírus. Mesmo após diversos estudos apontarem que a substância não tem efeito sobre a Covid-19, o presidente segue defendendo o uso do medicamento, usado inicialmente para doenças como a malária.