Mercado fechará em 1 h 21 min
  • BOVESPA

    109.686,33
    -454,31 (-0,41%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.909,36
    +34,45 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,99
    -1,89 (-2,49%)
     
  • OURO

    1.876,50
    -54,30 (-2,81%)
     
  • BTC-USD

    23.585,83
    -286,70 (-1,20%)
     
  • CMC Crypto 200

    539,61
    +2,75 (+0,51%)
     
  • S&P500

    4.175,76
    -4,00 (-0,10%)
     
  • DOW JONES

    34.156,26
    +102,32 (+0,30%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.825,75
    -21,00 (-0,16%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5536
    +0,0639 (+1,16%)
     

Halo da Via Láctea tem estrelas à metade da distância para Andrômeda

Mais de 200 estrelas variáveis foram encontradas no halo estelar da Via Láctea. A descoberta vem de um estudo liderado por Yuting Feng, da Universidade da Califórnia, e mostrou que as estrelas mais distantes do halo estão a cerca da metade da distância à galáxia Andrômeda, nossa vizinha a cerca de 2,5 milhões de anos-luz.

Conhecidas como “RR Lyrae”, estas estrelas variáveis têm pulsação e brilho característicos que as tornam excelentes “velas” de referência para os astrônomos medirem distâncias galácticas. “Este estudo está redefinindo o que constitui os limites externos da nossa galáxia”, disse o coautor Raja GuhaThakurta.

O halo estelar da Via Láctea é muito maior que o disco de sua estrutura, com cerca de 100 mil anos-luz de extensão. No meio do disco, há um bojo cercado pelo halo, que abriga algumas das estrelas mais antigas da nossa galáxia; quando comparadas àquelas no disco e no bojo, as estrelas do halo estão bastante dispersas.

Esquema dos halos externo e interno da Via Láctea (Imagem: Reprodução/NASA, ESA, and A. Feild [STScI])
Esquema dos halos externo e interno da Via Láctea (Imagem: Reprodução/NASA, ESA, and A. Feild [STScI])

Estudos anteriores sugeriam que o halo deveria chegar a até um milhão de quilômetros do centro galáctico (ou 300 kiloparsecs), e as estrelas detectadas por Feng e seus colegas ficavam de 20 a 320 kiloparsecs. “Nossas observações confirmam as estimativas teóricas do tamanho do halo, então este é um resultado importante”, disse ele.

As descobertas são resultados do programa Next Generation Virgo Cluster Survey (NGVS), voltado para o estudo de um aglomerado de galáxias além da Via Láctea. Como não foi desenhado para detectar as estrelas do tipo RR Lyrae, os pesquisadores precisaram encontrá-las em meio ao conjunto de dados.

Segundo GuhaThakurta, a ótima qualidade dos dados do NGVS permitiu a caracterização mais confiável e precisa das estrelas àquela distância. Ao identificar uma estrelas variável com base em seus pulsos característicos, os astrônomos podem usar o brilho observado dela para calcular a distância da estrela e, assim, diferenciar se elas são brilhantes porque são bastante luminosas ou se é porque estão próximas.

As descobertas foram apresentadas durante o encontro da Sociedade Astronômica Americana.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: