Mercado abrirá em 2 h 33 min
  • BOVESPA

    113.430,54
    +1.157,53 (+1,03%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.564,27
    +42,84 (+0,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,29
    +0,42 (+0,53%)
     
  • OURO

    1.939,90
    -5,40 (-0,28%)
     
  • BTC-USD

    23.024,00
    +103,57 (+0,45%)
     
  • CMC Crypto 200

    524,33
    +5,54 (+1,07%)
     
  • S&P500

    4.076,60
    +58,83 (+1,46%)
     
  • DOW JONES

    34.086,04
    +368,95 (+1,09%)
     
  • FTSE

    7.784,17
    +12,47 (+0,16%)
     
  • HANG SENG

    22.072,18
    +229,85 (+1,05%)
     
  • NIKKEI

    27.346,88
    +19,77 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.130,25
    -21,75 (-0,18%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5264
    +0,0108 (+0,20%)
     

Haddad levará propostas a Lula para reduzir déficit deste ano, diz secretário-executivo

Moedas de real

BRASÍLIA (Reuters) -O secretário-executivo do Ministério da Fazenda, Gabriel Galípolo, disse nesta terça-feira que o ministro Fernando Haddad deve encaminhar ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva até a próxima semana o que chamou de "plano de voo" para reduzir o déficit primário de cerca de 230 bilhões de reais previsto no Orçamento deste ano.

Segundo Galípolo, que concedeu entrevista à GloboNews, essas ações estarão focadas em dois pilares. De um lado o governo quer reavaliar desonerações aprovadas pelo governo Bolsonaro no ano passado, particularmente durante o período eleitoral, o que inclui a discussão sobre a redução da taxação dos combustíveis.

De outro lado, o das despesas, a equipe econômica também vai avaliar os filtros de acesso aos programas sociais modificados na gestão anterior, disse o economista, que é braço direito de Haddad no ministério.

"Isso também precisa ser revisto do ponto de vista qualitativo. Quer dizer, às vezes você perde a eficiência do programa jogando mais dinheiro de uma maneira equivocada", afirmou o secretário à GloboNews.

Em relação ao novo arcabouço fiscal que Haddad já se comprometeu a apresentar no primeiro semestre, Galípolo disse que, do ponto de vista do gasto, ele deve prever regras claras e previsíveis. Ele se disse "cético", contudo, com propostas, inclusive do Tesouro, que estabelecem maior ou menor liberdade para as despesas de acordo com o nível da dívida pública.

"Existe um componente da dívida que é a política monetária, ou seja, que é a taxa de juros. Se você insere um componente de gatilho automático na dívida, você acaba contaminando a política monetária, e também você tem uma dificuldade de fazer ajustes no primário na mesma proporção, por toda a estrutura de primário que a gente tem hoje", afirmou.

Ressaltando que o novo arcabouço fiscal ainda será discutido com a sociedade, Galípolo acrescentou que a nova regra precisará olhar para a trajetória da dívida, mas ponderou que "criar mecanismos automáticos de corte" pode não ser factível.

(Por Isabel Versiani; edição de Bernardo Caram e Pedro Fonseca)