Mercado abrirá em 7 h 3 min
  • BOVESPA

    114.177,55
    -92,52 (-0,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    55.164,01
    +292,65 (+0,53%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,35
    +0,34 (+0,42%)
     
  • OURO

    1.921,50
    -8,50 (-0,44%)
     
  • BTC-USD

    22.821,41
    -365,22 (-1,58%)
     
  • CMC Crypto 200

    516,73
    -10,46 (-1,98%)
     
  • S&P500

    4.060,43
    +44,21 (+1,10%)
     
  • DOW JONES

    33.949,41
    +205,57 (+0,61%)
     
  • FTSE

    7.761,11
    +16,24 (+0,21%)
     
  • HANG SENG

    22.555,27
    -11,51 (-0,05%)
     
  • NIKKEI

    27.388,77
    +26,02 (+0,10%)
     
  • NASDAQ

    12.035,00
    -71,75 (-0,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5102
    -0,0095 (-0,17%)
     

Haddad e Marinho agradam empresa e trabalhador em debate sobre aplicativos

***ARQUIVO**** BRASÍLIA, DF,  BRASIL,  28-12-2022, O indicado ao ministério da Fazenda do governo Lula, Fernando Haddad, durante coletiva de imprensa para apresentar as futuras assessoras jurídica e de assuntos internacionais do ministério.  No CCBB. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
***ARQUIVO**** BRASÍLIA, DF, BRASIL, 28-12-2022, O indicado ao ministério da Fazenda do governo Lula, Fernando Haddad, durante coletiva de imprensa para apresentar as futuras assessoras jurídica e de assuntos internacionais do ministério. No CCBB. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - No debate sobre a regulamentação do trabalho por aplicativo, o governo Lula encerrou a semana com acenos dos dois lados, tanto das empresas quanto dos trabalhadores.

O encontro do ministro Fernando Haddad (Fazenda) com o CEO da Uber, Dara Khosrowshahi, em Davos, agradou o setor, segundo a Amobitec (associação que reúne empresas como Ifood, 99, Lalamove e Uber). Na reunião, Haddad reforçou o desejo do governo brasileiro de regularizar a situação dos motoristas de aplicativo, sobretudo a previdenciária.

A proposta da Amobitec é incluir os motoristas e entregadores na Previdência Social. "São cerca de 1,4 milhão de pessoas que geram renda com o trabalho intermediado por plataformas e, cuja maioria, segundo pesquisas recentes, não está coberta pelas atuais modalidades de acesso à Previdência", afirma André Porto, diretor-executivo da entidade.

Enquanto isso, em Brasília, o ministro do Trabalho, Luiz Marinho reuniu-se com representantes dos trabalhadores, que dizem ver no novo governo uma disposição para o diálogo, que estava com as portas fechadas há muitos anos.

"Há seis anos a gente tenta dialogar com os outros governos mas não fomos recebidos. A postura correta é ouvir todos, não só as empresas. Esse governo faz um aceno que nos enche de otimismo. É preciso entender que não somos contra a tecnologia das empresas. Quem briga por direito trabalhista não é contra o avanço tecnológico", diz Gil Almeida, presidente do Sindimoto-SP.

Segundo ele, a questão previdenciária é um dos problemas a ser resolvido, mas não esgota as demandas do trabalhador.

"O carro-chefe não é a seguridade. A prioridade é o reajuste salarial. A gente é dono da moto, do celular, paga a internet, IPVA, manutenção e o combustível, que subiu. Mas a nossa remuneração pelas empresas está estacionada há sete anos, e os algoritmos jogam os preços do serviço para baixo. A seguridade sozinha não vai resolver o problema", afirma Almeida.