Mercado fechado
  • BOVESPA

    107.829,73
    -891,85 (-0,82%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.335,51
    -713,54 (-1,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    77,48
    +0,34 (+0,44%)
     
  • OURO

    1.886,40
    +1,60 (+0,08%)
     
  • BTC-USD

    23.293,67
    +515,61 (+2,26%)
     
  • CMC Crypto 200

    538,00
    +12,05 (+2,29%)
     
  • S&P500

    4.164,00
    +52,92 (+1,29%)
     
  • DOW JONES

    34.156,69
    +265,67 (+0,78%)
     
  • FTSE

    7.864,71
    +28,00 (+0,36%)
     
  • HANG SENG

    21.298,70
    +76,54 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    27.492,37
    -193,10 (-0,70%)
     
  • NASDAQ

    12.749,75
    -27,00 (-0,21%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5782
    +0,0011 (+0,02%)
     

Haddad diz que apresentará arcabouço fiscal no máximo até abril

***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 02.01.2023 - O ministro da Fazenda, Fernando Haddad. (Foto: Gabriela Biló/Folhapress)
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 02.01.2023 - O ministro da Fazenda, Fernando Haddad. (Foto: Gabriela Biló/Folhapress)

DAVOS, SUÍÇA (FOLHAPRESS) - O ministro Fernando Haddad (Fazenda) afirmou que pretende apresentar o arcabouço fiscal até abril, mas voltou a ressaltar que a estrutura é apenas um dos pontos da agenda da pasta.

"O fiscal é uma parte da lição de casa, mas ela não é a agenda Econômica completa", afirmou a jornalistas em Davos, onde participa do encontro anual do Fórum Econômico Mundial.

Um alto executivo que participa do fórum e está familiarizado com a economia e a política brasileiras afirmou à Folha que há hesitação dos investidores estrangeiros em relação a um aumento de gastos e elevação de tributos no Brasil. Na segunda, Haddad afirmou que não há intenção do governo em aumentar impostos.

"Vamos pensar a perspectiva de fazer a reforma tributária e de repensar o arcabouço fiscal, que é isso é que vai dar sustentabilidade agora vamos combinar o fiscal, que é pressuposto do desenvolvimento, mas ele não é um fim em si mesmo", disse o ministro.

"Você tem que estar as contas arrumadas, mas para você desenvolver o país, precisa de uma certa uma política proativa."

O mesmo executivo que falou da hesitação diante da economia ressaltou que há, por outro lado, mais confiança em relação à institucionalidade do Brasil e também ao compromisso do país com a preservação ambiental, dois pontos de incerteza sob o finado governo Jair Bolsonaro.

Haddad reforçou a premissa, dizendo que que interlocutores, sobretudo aqueles ligados à geopolitica, tem mostrado interesse nas agendas para os dois temas, e que isso é especialmente importante na atual recalibragem das relações com os Estados Unidos. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva deve visitar o americano Joe Biden em fevereiro.

Haddad chegou a Davos na segunda (16) e deixará a cidade nos Alpes nesta quarta (19), dois dias antes do fim do evento. Na manhã desta terça ele se reuniu com representantes do governo saudita e com Ian Bremmer, da consultoria Eurasia.

Durante a tarde, ele se reúne com investidores em almoço patrocinado pelo Itaú, participa de um painel sobre o Brasil ao lado da ministra Marina Silva (Meio Ambiente) e mantém encontros com a diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional, Kristalina Georgieva e com seus pares de Alemanha e Colômbia. À noite, participa de jantar oferecido pelo BTG.