Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.316,16
    -1.861,39 (-1,63%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.774,91
    -389,10 (-0,71%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,38
    -1,63 (-2,01%)
     
  • OURO

    1.927,60
    -2,40 (-0,12%)
     
  • BTC-USD

    22.953,59
    -36,04 (-0,16%)
     
  • CMC Crypto 200

    526,66
    +9,65 (+1,87%)
     
  • S&P500

    4.070,56
    +10,13 (+0,25%)
     
  • DOW JONES

    33.978,08
    +28,67 (+0,08%)
     
  • FTSE

    7.765,15
    +4,04 (+0,05%)
     
  • HANG SENG

    22.688,90
    +122,12 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    27.382,56
    +19,81 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.221,00
    +114,25 (+0,94%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5462
    +0,0265 (+0,48%)
     

Haddad deve ir a Davos em primeira viagem internacional

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O futuro ministro da Fazenda Fernando Haddad deve viajar para participar do Fórum Econômico Mundial, em Davos, em janeiro, em seu primeiro compromisso internacional à frente da economia brasileira.

Haddad deve permanecer na cidade suíça entre os dias 16 e 18 de janeiro —o evento acontecerá de 16 a 20.

Embora ainda não haja definição, a comitiva brasileira deve ser chefiada pelo vice-presidente e futuro ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio, Geraldo Alckmin (PSB). Ele substituiria o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que vai privilegiar agenda na América do Sul no início de seu governo.

Também deve compor a comitiva a deputada federal Marina Silva (Rede-SP), que deverá ser anunciada nesta quinta-feira (29) como a nova titular do Meio Ambiente.

O Fórum Econômico Mundial é um evento que reúne chefes de governo e ministros de todo o mundo, além de empresários e economistas. O evento costuma servir de oportunidade para líderes nacionais apresentarem as políticas econômicas e tentarem vender cenários de estabilidade e credibilidade, possibilitando a atração de investimentos.

Lula, no entanto, tem indicado que não deve comparecer a Davos. O futuro ministro das Relações Exteriores, Mauro Vieira, afirmou há duas semanas que as primeiras viagens internacionais do petista seriam para a Argentina, Estados Unidos e China.

A primeira viagem internacional de Lula para a Argentina será para participar da Cúpula da Celac (Comunidade dos Estados Latino-Americanos e Caribenhos), que seria seguida de uma visita oficial ao país vizinho, sendo recebido pelo presidente Alberto Fernández.

A cúpula está marcada para o dia 24 de janeiro.

O futuro governo pretende dar prioridade nas relações internacionais para restabelecer laços com a América Latina, recriando a participação brasileira em alguns fóruns que foram abandonados pela atual gestão de Jair Bolsonaro (PL). Além da Celac, há a perspectiva de restabelecer a presença na Unasul.

O Brasil abandonou a Celac na gestão do ex-chanceler Ernesto Araújo e agora voltará à organização, que deve se tornar um dos principais foros para a política externa brasileira, ao lado da Organização do Tratado de Cooperação Amazônica (OTCA).