Mercado abrirá em 1 h 22 min
  • BOVESPA

    100.774,57
    -1.140,88 (-1,12%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.007,16
    +308,44 (+0,62%)
     
  • PETROLEO CRU

    67,04
    +1,47 (+2,24%)
     
  • OURO

    1.774,90
    -9,40 (-0,53%)
     
  • BTC-USD

    56.642,73
    -321,16 (-0,56%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.444,98
    -24,11 (-1,64%)
     
  • S&P500

    4.513,04
    -53,96 (-1,18%)
     
  • DOW JONES

    34.022,04
    -461,68 (-1,34%)
     
  • FTSE

    7.118,31
    -50,37 (-0,70%)
     
  • HANG SENG

    23.788,93
    +130,01 (+0,55%)
     
  • NIKKEI

    27.753,37
    -182,25 (-0,65%)
     
  • NASDAQ

    15.920,25
    +50,50 (+0,32%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4085
    -0,0383 (-0,59%)
     

Hackers ligados a iranianos invadem sites e apps israelenses

·2 min de leitura
Blurred hands are typing on a laptop computer in the dark with illuminated keyboard and illegible mystic program code visible on the screen.
Blurred hands are typing on a laptop computer in the dark with illuminated keyboard and illegible mystic program code visible on the screen.
  • Ataque cibernético foi dirigido a sites israelenses no último sábado; 

  • Ataque é atribuído ao grupo de hackers "Black Shadow", ligado a iranianos;

  • Foram hackeados dados de hosts de sites, empresas de ônibus, app de namoro LGBT, entre outros;

No último fim de semana, hackers que se acredita estarem vinculados ao Irã violaram uma empresa israelense de hospedagem na Internet, derrubando vários de seus sites, segundo informações do The Jerusalem Post e da imprensa local. Um grupo de hackers, conhecido como Black Shadow assumiu a responsabilidade pelo ataque, divulgando os dados no Telegram.

O ataque cibernético atingiu sites, incluindo os das empresas israelenses de transporte público Dan e Kavim, a empresa de turismo Pegasus, o Museu da Criança de Israel, um blog de rádio pública online, e o app de namoro LGBT+ Atraf, sem nenhum dos sites e aplicativos disponíveis para os usuários durante o fim de semana. 

A partir do sábado a tarde, um grupo de hackers, conhecido como Black Shadow assumiu a responsabilidade pelo ataque, ao publicar um conjunto de dados de supostos clientes no serviço de mensagens Telegram, como nomes, números de telefone e endereços de e-mail de clientes do Kavim. Os usuários do Telegram viram uma mensagem dos hackers na sexta-feira, onde disseram que tinham “novidades para vocês”. 

Leia mais:

Eles acrescentaram que o ataque afetou a empresa, de hospedagem de sites Cyberserve, junto com seus usuários, ao mesmo tempo em que instava as pessoas a contatá-los “LOGO”, se não quiserem que seus dados vazem. Seguiu-se outra mensagem, onde diziam que, por não terem sido contatados, “os primeiros dados estão aqui”, ao mesmo tempo que deixavam vazar um conjunto de informações de usuários.

A imprensa israelense alega que o Black Shadow é um grupo de hackers ligados ao Irã que usa ataques cibernéticos para fins criminosos. O grupo já havia violado dados da seguradora israelense Shirbit em dezembro do ano passado, roubando um tesouro de dados. Na época, o grupo exigiu um resgate de US$ 1 milhão e começou a vazar as informações quando a empresa se recusou a pagar.

Segundo o portal Arab News, o novo ataque ocorre depois de um ataque cibernético sem precedentes e não reivindicado que devastou o sistema de distribuição de petróleo do Irã na última semana. A mídia iraniana culpou o fato aos oponentes do governo no exterior. O ataque ao seu sistema baseado na intranet permitiu que os motoristas comprassem combustível subsidiado com cartões emitidos pelo governo, causando longas filas nos postos de gasolina.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos