Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.294,68
    +997,55 (+0,84%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.329,84
    +826,13 (+1,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,05
    -0,10 (-0,16%)
     
  • OURO

    1.736,20
    -0,10 (-0,01%)
     
  • BTC-USD

    63.112,52
    -283,93 (-0,45%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.372,00
    -3,77 (-0,27%)
     
  • S&P500

    4.124,66
    -16,93 (-0,41%)
     
  • DOW JONES

    33.730,89
    +53,62 (+0,16%)
     
  • FTSE

    6.939,58
    +49,09 (+0,71%)
     
  • HANG SENG

    28.661,71
    -239,12 (-0,83%)
     
  • NIKKEI

    29.657,66
    +36,67 (+0,12%)
     
  • NASDAQ

    13.804,00
    +5,25 (+0,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7743
    +0,0014 (+0,02%)
     

Hacker preso pela PF afirmou em rede social que megavazamento veio de empresa ligada ao governo

PAULA SOPRANA
·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O hacker VandaThegod, preso na manhã desta sexta-feira (19) pela Polícia Federal por susposto envolvimento no vazamento de dados denunciado pela empresa Psafe em janeiro, escreveu em um perfil de rede social que a base com dados de 223 milhões de brasileiros não veio da empresa Serasa. "Não foi o Serasa que foi hackeado, não, foi outra empresa privada que está ligada ao governo", escreveu em uma rede logo após os dados passarem a circular na internet. "Eu tenho e não vou passar, tem que negociar btc [bitcoins], propostas", também disse. VandaTheGod, cujo nome é Marcos Roberto Correia da Silva, teve a prisão preventiva decretada pelo ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Alexandre de Moraes. A Polícia Federal diz que "identificou o suspeito pela prática dos delitos de obtenção, divulgação e comercialização dos dados, bem como um segundo hacker que estaria vendendo os dados por meio suas redes sociais". A PF não esclareceu, entretanto, se esse hacker foi preso por obter os dados diretamente da fonte --que supostamente seria uma empresa-- ou por obter uma amostra dos dados vazados por outro hacker, prática comum no cibercrime. A Psafe afirmou ao jornal Folha de S.Paulo que os dados foram vendidos na deep web, parte da internet que não é indexada a motores de busca como o Google, mas o hacker disponibilizou parte da base mais simplificada (com nome, CPF, sexo e data de nascimento) por um tempo, o que pode ter levado uma série de pessoas a armazená-la e revendê-la em fóruns de acesso fácil. VandaTheGod estava fazendo anúncios informais no próprio Twitter.