Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.933,78
    -180,15 (-0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.072,62
    -654,36 (-1,34%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,55
    +0,17 (+0,27%)
     
  • OURO

    1.769,10
    -1,50 (-0,08%)
     
  • BTC-USD

    54.546,96
    -1.863,49 (-3,30%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.219,46
    -79,50 (-6,12%)
     
  • S&P500

    4.163,26
    -22,21 (-0,53%)
     
  • DOW JONES

    34.077,63
    -123,04 (-0,36%)
     
  • FTSE

    7.000,08
    -19,45 (-0,28%)
     
  • HANG SENG

    28.957,00
    -149,15 (-0,51%)
     
  • NIKKEI

    29.189,83
    -495,54 (-1,67%)
     
  • NASDAQ

    13.914,00
    +16,75 (+0,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6796
    +0,0039 (+0,06%)
     

Hacker é preso suspeito de vazar dados de 223 milhões de brasileiros

Redação Finanças
·1 minuto de leitura
Equipamentos eletrônicos foram apreendidos na operação (Foto: Divulgação)
Equipamentos eletrônicos foram apreendidos na operação (Foto: Divulgação)
  • Dados de 223 milhões de brasileiros foram vazados

  • Autoridades públicas estavam entre os alvos dos hackers

  • Ordens judiciais foram autorizadas por Alexandre de Moraes, do STF

A Polícia Federal prendeu nesta sexta-feira em Uberlândia (MG o suspeito de ter realizado o maior vazamento de dados do Brasil. Conhecido como Vandathegod, o hacker é responsável pela divulgação de informações de 223 milhões de brasileiros.

A operação batizada de Deepwater cumpre cinco mandados de busca e apreensão em Petrolina (PE) e Uberlândia. A suspeita é que autoridades públicas estejam entre os principais alvos dos criminosos.

Leia também:

Neste ano, investigadores identificaram que dados sigilosos - nome completo, endereço, CPF e CNPJ - foram expostos em um fórum da internet especializado em troca de informações.

Venda em criptomoedas

Segundo a PF, a divulgação de parte dos dados foi feita de forma gratuita por um usuário que ao mesmo tempo colocou à venda o resto do material - essa operação poderia ser feita em criptomoeda, por exemplo.

Material apreendido pela PF na operação (Foto: Divulgação)
Material apreendido pela PF na operação (Foto: Divulgação)

A PF, então, identificou o hacker suspeito de comercializar os dados e outro que estaria vendendo essas informações em suas redes sociais.

A investigação é realizada pela Diretoria de Inteligência Policial da Polícia Federal, com as ordens judiciais expedidas pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal.