Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.061,99
    -871,79 (-0,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.528,97
    +456,35 (+0,95%)
     
  • PETROLEO CRU

    62,61
    +0,17 (+0,27%)
     
  • OURO

    1.782,20
    +3,80 (+0,21%)
     
  • BTC-USD

    55.341,84
    +785,64 (+1,44%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.267,87
    +33,45 (+2,71%)
     
  • S&P500

    4.134,94
    -28,32 (-0,68%)
     
  • DOW JONES

    33.821,30
    -256,33 (-0,75%)
     
  • FTSE

    6.859,87
    -140,21 (-2,00%)
     
  • HANG SENG

    28.661,58
    -474,15 (-1,63%)
     
  • NIKKEI

    28.514,21
    -586,17 (-2,01%)
     
  • NASDAQ

    13.742,00
    -52,25 (-0,38%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6865
    -0,0160 (-0,24%)
     

H&M deve esperar raiva da China passar, diz Câmara da UE

Bloomberg News
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- A ira da China contra a Hennes & Mauritz e outras marcas que se recusam a usar o algodão de Xinjiang vai passar, mas as empresas continuarão a enfrentar riscos de questões políticas, disse o presidente da Câmara de Comércio da União Europeia na China.

“Realmente tem que deixar acontecer, ficar quieto e, quando passar, voltar”, disse Joerg Wuttke à Bloomberg TV na terça-feira. “Os clientes chineses adoram produtos e marcas europeias, então acho que será o mesmo para os têxteis.”

Usuários de redes sociais chinesas começaram a organizar um boicote à H&M na semana passada, depois de descobrir um comunicado sem data da empresa dizendo que não usaria algodão da região de Xinjiang, no oeste do país, devido a questões de trabalho forçado.

A varejista foi criticada pela Liga da Juventude Comunista e pelo Exército de Libertação do Povo, e as lojas desapareceram das pesquisas do Apple Maps e Baidu Maps. Algumas das lojas da H&M em cidades menores foram fechadas pelos proprietários.

Outras marcas ocidentais como Nike e Adidas também desagradaram consumidores devido às promessas de não usar algodão de Xinjiang. A região fornece cerca de 80% da matéria-prima para a China.

Os EUA e algumas outras nações ocidentais acusam a China de enviar até 1 milhão de uigures, que são muçulmanos, para campos de trabalho forçado e obrigar cerca de 500 mil crianças a estudarem em internatos.

A China nega as acusações, dizendo que está combatendo o extremismo religioso e oferecendo empregos e educação para melhorar vidas. A porta-voz do Ministério de Relações Exteriores da China, Hua Chunying, não respondeu diretamente se o governo estava por trás de boicotes à H&M e outras empresas durante coletiva de imprensa na terça-feira em Pequim.

“Alguns internautas chineses expressaram sua raiva pelo algodão de Xinjiang, inclusive pela H&M”, disse. “Os consumidores chineses têm liberdade de escolha”.

Wuttke, da Câmara de Comércio, disse na terça-feira que, embora o mercado chinês tenha “salvado” muitas empresas no ano passado à medida que a economia do país asiático se recuperava da pandemia de coronavírus, “ao mesmo tempo há esse tipo de pressão política”.

A reação pode afetar o governo de Pequim no longo prazo, visto que “prejudica os empregos chineses”, disse.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.