Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,50 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,11 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,82
    +0,11 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.832,00
    +16,30 (+0,90%)
     
  • BTC-USD

    58.574,75
    +1.378,51 (+2,41%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,07
    +44,28 (+3,08%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,23 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.715,50
    +117,75 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3651
    -0,0015 (-0,02%)
     

Há risco "não desprezível" de flexibilização adicional do regime fiscal, diz Itaú

·2 minuto de leitura
Há risco "não desprezível" de flexibilização adicional do regime fiscal, diz Itaú

(.)

SÃO PAULO (Reuters) - O Itaú Unibanco piorou sua projeção de déficit primário para o Brasil neste ano, incorporando em suas contas mais despesas emergenciais fora do teto de gastos, e avaliou que, pela dinâmica atual da pandemia e de suas consequências, há risco "não desprezível" de flexibilização adicional do regime fiscal da regra.

"Tal cenário impactaria a já frágil sustentabilidade fiscal brasileira, aumentando o prêmio de risco doméstico, com efeitos negativos sobre juros, câmbio e atividade econômica em 2021 e, predominantemente, em 2022", disse a equipe econômica do Itaú, chefiada por Mário Mesquita, em revisão mensal de cenário.

O banco revisou a estimativa de déficit primário para 2,8% do PIB (de 2,5% antes), no equivalente a 235 bilhões de reais.

Os gastos não sujeitos ao teto devem somar 100 bilhões de reais (1,2% do PIB), contra 62 bilhões de reais (0,9% do PIB) previstos antes. O aumento virá de programas de proteção ao emprego formal (BEm), de crédito para empresas (Pronampe), além de gastos com o sistema de saúde.

Apesar do agravamento da crise sanitária, os economistas do Itaú avaliaram que os impactos econômicos da atual onda de Covid-19 têm sido menos pronunciados do que no pico do ano passado. Assim, mantiveram expectativa de que o PIB aumente 3,8% em 2021 e desacelere para 1,8% no ano que vem.

A projeção para a taxa de câmbio ao fim de 2021 foi deixada em 5,30 reais, com o real apoiado em parte pela elevação da Selic a 5,5% no término de 2021.

"Embora as incertezas externas e domésticas sigam presentes, a elevação da taxa Selic, bem como os preços de commodities mais elevados, tende a se refletir em fluxos comerciais favoráveis, abrindo espaço para uma volta do fluxo de dólares para o país", disseram os economistas do banco, que veem a moeda em 5,50 reais o fim de 2022.

A alta do IPCA prevista para este ano se manteve em 4,7%, descendo para 3,6% em 2022.

(Por José de Castro)