Mercado fechará em 1 h 7 min
  • BOVESPA

    124.087,16
    -1.916,70 (-1,52%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.924,71
    +26,92 (+0,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,59
    -0,32 (-0,45%)
     
  • OURO

    1.800,10
    +0,90 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    37.869,06
    -1.910,71 (-4,80%)
     
  • CMC Crypto 200

    894,63
    +18,40 (+2,10%)
     
  • S&P500

    4.389,48
    -32,82 (-0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.971,73
    -172,58 (-0,49%)
     
  • FTSE

    6.996,08
    -29,35 (-0,42%)
     
  • HANG SENG

    25.086,43
    -1.105,89 (-4,22%)
     
  • NIKKEI

    27.970,22
    +136,93 (+0,49%)
     
  • NASDAQ

    14.880,00
    -237,75 (-1,57%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1228
    +0,0125 (+0,20%)
     

Há muito a ser feito em relação às reformas, diz Economia

·2 minuto de leitura
Edifício do Ministério da Economia em Brasília (DF)

SÃO PAULO (Reuters) - A economia brasileira apresenta "bons motivos" para expectativa de "forte crescimento" em 2021, disse em nota a Secretaria de Política Econômica (SPE) do Ministério da Economia, na qual avaliou que a consolidação fiscal e as reformas pró-mercado continuam e que há muito a ser feito.

"É fundamental continuar avançando nessa agenda econômica, pois ela traz benefícios de longo prazo para os brasileiros e estabelece condições para crescimento econômico sustentável", disse a SPE em documento divulgado nesta terça-feira.

"Maior crescimento do PIB, aumento da produtividade, aumento do investimento privado, aumento do emprego e de renda dos brasileiros, taxa de juros estrutural mais baixa e inflação mais baixa são alguns dos benefícios provenientes do binômio de reformas pró-mercado e aprofundamento no processo de consolidação fiscal", completou.

A secretaria destacou ações aprovadas no Congresso, como o novo marco do saneamento, do gás, das agências reguladoras e das startups, e lembrou que a retomada da economia pós-recessões não alcança o ritmo anterior devido a perda de produtividade e, normalmente, a má alocação de recursos.

"De forma geral, essas medidas buscam aumentar a produtividade da economia via correção da má alocação de recursos, aprimoramento dos marcos legais e aumento da segurança jurídica, privatizações e concessões, abertura comercial, desburocratização e melhoria do ambiente de negócios."

A nota destacou que a continuidade da agenda é de "suma importância" para o desenvolvimento do país e que "há muito para ser feito", mesmo depois da aprovação recente da MP da Eletrobras e do projeto de lei que autoriza o Banco Central a receber depósitos voluntários remunerados, em consonância com outros bancos centrais.

Entre os projetos em tramitação estão a reforma tributária, a modernização do setor elétrico e a reforma administrativa (na Câmara dos Deputados) e o marco legal do mercado de câmbio, autorização de ferrovias e a mudança do regime de partilha para concessão na exploração de petróleo no pré-sal (no Senado Federal).

(Por José de Castro)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos