Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.513,62
    +1.085,64 (+0,85%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.558,32
    +387,54 (+0,77%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,29
    -0,01 (-0,01%)
     
  • OURO

    1.775,50
    -1,20 (-0,07%)
     
  • BTC-USD

    34.823,95
    +1.205,49 (+3,59%)
     
  • CMC Crypto 200

    839,79
    +53,17 (+6,76%)
     
  • S&P500

    4.266,49
    +24,65 (+0,58%)
     
  • DOW JONES

    34.196,82
    +322,58 (+0,95%)
     
  • FTSE

    7.109,97
    +35,91 (+0,51%)
     
  • HANG SENG

    28.882,46
    +65,39 (+0,23%)
     
  • NIKKEI

    28.875,23
    0,00 (0,00%)
     
  • NASDAQ

    14.352,75
    -1,50 (-0,01%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,8605
    -0,0018 (-0,03%)
     

De Guindos, do BCE, diz que crédito ainda está barato, mas é preciso cautela

·1 minuto de leitura
Vice-presidente do BCE, Luis de Guindos

FRANKFURT (Reuters) - Governos, famílias e empresas da zona do euro ainda podem pedir empréstimos baratos, apesar do recente aumento nos rendimentos, mas o Banco Central Europeu (BCE) deve ser cauteloso ao remover seu apoio ao mercado da dívida, disse o vice-presidente do banco, Luis de Guindos, nesta quarta-feira.

Com as infecções em queda e a economia da zona do euro reabrindo lentamente, investidores começaram a considerar uma redução no ritmo de compra de títulos do BCE, fazendo com que os custos dos empréstimos nos mercados financeiros subissem nas últimas semanas.

De Guindos afirmou que o nível atual de rendimentos dos títulos ainda é propício a condições de financiamento "favoráveis" - expressão do BCE para um nível de custos de empréstimos confortável ao banco.

"O nível atual de rendimentos permite que as condições de financiamento dos governos, bem como... para famílias e empresas, sejam favoráveis", disse de Guindos em entrevista coletiva.

Mas repetiu seu apelo para errar por excesso de cautela quando se trata de retirar o estímulo monetário.

"Tem de ser gradual, tem de ser muito prudente, tem de estar em paralelo com a evolução da recuperação da economia", disse de Guindos.

"Minha opinião é que devemos errar para o lado da prudência. É muito melhor ser prudente do que ser um pouco agressivo demais em termos de eliminação gradual das medidas de apoio."

(Por Balazs Koranyi)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos