Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.843,74
    -2.595,62 (-2,33%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.557,65
    -750,06 (-1,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,48
    -1,49 (-2,07%)
     
  • OURO

    1.764,70
    +13,30 (+0,76%)
     
  • BTC-USD

    43.736,54
    -3.909,46 (-8,21%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.076,57
    -57,81 (-5,10%)
     
  • S&P500

    4.357,73
    -75,26 (-1,70%)
     
  • DOW JONES

    33.970,47
    -614,41 (-1,78%)
     
  • FTSE

    6.903,91
    -59,73 (-0,86%)
     
  • HANG SENG

    24.099,14
    -821,62 (-3,30%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,75 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    14.991,00
    -335,00 (-2,19%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2445
    +0,0451 (+0,73%)
     

Guinada dos BCs ante política monetária da era da crise ganha ímpeto

·2 minuto de leitura
Pedestres na entrada do banco central da Nova Zelândia em Wellington, Nova Zelândia

Por Dan Burns

(Reuters) - Enquanto os mercados financeiros esperam o Federal Reserve começar a reverter sua postura de política monetária expansionista, movimentos recentes de vários outros bancos centrais sinalizam que os dias de estímulo da era da pandemia já estão contados, embora a Covid-19 continue a impedir recuperações econômicas tranquilas ao redor do mundo.

O banco central da Coreia do Sul elevou sua taxa básica de juros na quinta-feira em 0,25 ponto percentual, buscando diminuir os riscos de estabilidade financeira decorrentes do aumento no endividamento das famílias, tornando-se a primeira grande autoridade monetária na Ásia a fazê-lo desde que o coronavírus atingiu a economia global, 18 meses atrás.

Mesmo antes do aumento de juros na Coreia do Sul, no entanto, bancos centrais da América Latina e da Europa central e do leste já haviam começado a elevar os juros este ano, buscando conter a inflação que está se acumulando devido às flutuações cambiais, gargalos da cadeia de oferta global e escassez de mão de obra regional.

E os bancos centrais de economias maiores também estão entrando na onda. O Banco do Canadá já cortou suas compras de títulos e pode elevar os custos dos empréstimos em 2022, enquanto o banco central da Nova Zelândia deve elevar os juros até o final deste ano, apesar de ter desistido de anunciar aumento na semana passada em face de um lockdown de combate à Covid-19.

Por sua vez, o Fed está tropeçando em direção à redução de seus 120 bilhões de dólares em compras mensais de ativos, com expectativa de que anuncie esse aperto antes do final de 2021, possivelmente já no próximo mês. Um aumento na taxa de juros dos EUA, no entanto, provavelmente levaria um ano ou mais.

O chair do Fed, Jerome Powell, falará mais tarde nesta sexta-feira sobre as perspectivas econômicas dos EUA na conferência anual de Jackson Hole, que está sendo realizada virtualmente pelo segundo ano consecutivo. Seus comentários podem influenciar as expectativas de quando o Fed anunciará a redução de estímulos, mas não devem oferecer qualquer sinal concreto.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos