Mercado fechado
  • BOVESPA

    99.621,58
    -969,83 (-0,96%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.061,61
    -373,84 (-0,77%)
     
  • PETROLEO CRU

    109,33
    -0,45 (-0,41%)
     
  • OURO

    1.821,10
    +3,60 (+0,20%)
     
  • BTC-USD

    20.035,74
    -252,45 (-1,24%)
     
  • CMC Crypto 200

    430,86
    -8,80 (-2,00%)
     
  • S&P500

    3.818,83
    -2,72 (-0,07%)
     
  • DOW JONES

    31.029,31
    +82,32 (+0,27%)
     
  • FTSE

    7.312,32
    -11,09 (-0,15%)
     
  • HANG SENG

    21.996,89
    -422,08 (-1,88%)
     
  • NIKKEI

    26.675,24
    -129,36 (-0,48%)
     
  • NASDAQ

    11.674,75
    -16,25 (-0,14%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4302
    +0,0196 (+0,36%)
     

Guerra de Putin força Biden a rever plano de segurança dos EUA

(Bloomberg) -- A invasão da Ucrânia pelas tropas de Vladimir Putin desencadeou uma grande reformulação da estratégia de segurança nacional dos EUA, de acordo com pessoas familiarizadas com o assunto.

As primeiras versões do documento, que ainda está sendo finalizado, mostram como as prioridades do governo de Joe Biden mudaram em resposta à guerra de Putin na Ucrânia e à crescente parceria entre Pequim e Moscou.

A publicação do documento, originalmente prevista para janeiro passado, foi adiada depois que as autoridades americanas passaram a acreditar que uma invasão russa da Ucrânia era provável. Agora está sendo substancialmente reescrito para refletir as maneiras como o mundo mudou desde o início da guerra, disseram as pessoas. Ainda não está claro quando será publicado, e uma das pessoas enfatizou que ainda pode sofrer alterações.

O novo rascunho enfatiza a importância da Europa e da Ásia para os interesses de segurança nacional dos EUA, uma mudança de uma versão anterior que se concentrava mais diretamente na China e na Ásia. Em vez de minimizar a importância da China, o documento argumenta que os eventos na Europa e na Ásia estão intrinsecamente conectados, de acordo com as pessoas.

Produzida por todo governo desde Ronald Reagan, a estratégia de segurança nacional fornece uma das janelas mais importantes para o pensamento da Casa Branca sobre questões de política externa.

O documento, encomendado pelo Congresso, destina-se a ajudar os legisladores a avaliar as prioridades orçamentárias do governo para a segurança nacional; esclarecer as relações dos EUA com aliados, parceiros e adversários; e garantir que representantes de todo o aparato de segurança nacional dos EUA falem com seus colegas estrangeiros em uma só voz.

Porta-vozes do Conselho de Segurança Nacional não responderam a um pedido de comentário.

O discurso recente do secretário de Estado Antony Blinken sobre a política dos EUA em relação à China sugere uma possível síntese do documento sobre as ameaças de Pequim e Moscou. A Rússia, disse Blinken, é uma “ameaça clara e presente”, enquanto a China é “o desafio de longo prazo mais sério para a ordem internacional”.

A estratégia provavelmente argumentará que nem o desafio da Rússia na Europa nem o da China na Ásia podem ser tratados isoladamente.

“Para nós, há um certo nível de integração e simbiose na estratégia que estamos perseguindo na Europa e na estratégia que estamos buscando no Indo-Pacífico”, disse o Conselheiro de Segurança Nacional Jake Sullivan a repórteres em 18 de maio. “A capacidade única do presidente Biden de unir esses dois é, eu acho, uma marca de sua política externa.”

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos