Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.316,16
    -1.861,39 (-1,63%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.774,91
    -389,10 (-0,71%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,38
    -1,63 (-2,01%)
     
  • OURO

    1.927,60
    -2,40 (-0,12%)
     
  • BTC-USD

    23.017,31
    -148,56 (-0,64%)
     
  • CMC Crypto 200

    526,66
    +9,65 (+1,87%)
     
  • S&P500

    4.070,56
    +10,13 (+0,25%)
     
  • DOW JONES

    33.978,08
    +28,67 (+0,08%)
     
  • FTSE

    7.765,15
    +4,04 (+0,05%)
     
  • HANG SENG

    22.688,90
    +122,12 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    27.382,56
    +19,81 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.221,00
    +114,25 (+0,94%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5462
    +0,0265 (+0,48%)
     

Guerra na Ucrânia: veja lista de alimentos e bens que ficarão mais caros

Guerra na Ucrânia: frutas e legumes também pode ficar mais caros por causa dos fertliizantes
Guerra na Ucrânia: frutas e legumes também pode ficar mais caros por causa dos fertliizantes

Trigo, milho e derivados devem ficar mais caros

Combustíveis também podem pesar ainda mais no bolso

Petróleo passou dos 100 dólares o barril

A guerra na Ucrânia iniciada após a ofensiva da Rússia nesta quinta-feira abalou as relações geopolíticas e os mercados financeiros. Em razão da economia interconectada, qualquer abalo naquela região pode afetar a cadeia global de alimentos - isso porque os dois países são importantes produtores de cereais e grãos, como milho e trigo. Rússia e Ucrânia são responsáveis por 15% da produção mundial de trigo e exportam 30% do consumido pelo planeta.

Só a Ucrânia vende 17% do milho do mercado mundial. Ou seja, o país atingido é bastante importante nessa cadeia de alimentos.

Com a situação bem tensa naquele ponto do planeta, isso deve acarretar numa subida de preços de alimentos derivados como biscoitos, bolachas, pães etc. No Brasil, a inflação foi de 10% em 2021, pressionada pelos alimentos e combustíveis.

Uma crise mais prolongada afetaria essa cadeia. O Brasil não é autossuficiente em trigo e tem como maiores importadores Argentina e EUA. Como se tratam de produtos negociados em Bolsas, as cotações já subiram, o que pressionará o preço final por aqui.

Ainda na agricultura, Rússia é o maior produtor mundial de fertilizantes e é o principal fornecedor do Brasil. Analistas apontam que os preços podem ficar muito pressionados por causa dos embargos impostos a Moscou depois da invasão.

Apesar disso, na sexta-feira passada, a mídia especializada em grãos estava mais preocupada com a safra de soja e milho de Brasil e Argentina, prejudicada pelo mau tempo. A principal preocupação relacionada ao conflito era a de alta do preço do trigo, de passagem.

Gasolina e derivados mais caros

Outro campo da economia que deve ser pressionado é o da energia. Já nas primeiras horas da confirmação da invasão russa, o barril de petróleo do tipo Brent chegou aos 100 dólares pela primeira vez desde 2014. Por aqui, como a Petrobras tem uma política de preços que segue a flutuação do mercado internacional, devemos ter preços mais salgados na bomba nos próximos dias.

Com isso, derivados do produto (gasolina, gás natural, gás de cozinha e diesel) também aumentariam de preço. Como a gasolina brasileira é composta em 27% de etanol anidro (que também vem registrando aumento de preços), mais um fator para o reajuste, fora o dólar mais caro. Em 2021, a gasolina subiu quase 50%.

A Rússia é um dos grandes produtores de petróleo, e um conflito militar afeta o mercado do produto. Além disso, sanções impostas pelos EUA e pela União Europeia também podem pressionar o preço da energia, direta e indiretamente.