Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.095,53
    +537,86 (+0,50%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.056,27
    +137,99 (+0,27%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,65
    +0,60 (+0,83%)
     
  • OURO

    1.784,10
    -0,60 (-0,03%)
     
  • BTC-USD

    50.833,33
    +354,69 (+0,70%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.320,56
    +15,44 (+1,18%)
     
  • S&P500

    4.701,21
    +14,46 (+0,31%)
     
  • DOW JONES

    35.754,75
    +35,32 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.337,05
    -2,85 (-0,04%)
     
  • HANG SENG

    23.996,87
    +13,21 (+0,06%)
     
  • NIKKEI

    28.860,62
    +405,02 (+1,42%)
     
  • NASDAQ

    16.382,50
    +64,50 (+0,40%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2746
    -0,0651 (-1,03%)
     

Guedes tem que mobilizar governo se quiser aprovar reforma administrativa, diz Lira

·3 min de leitura
*ARQUIVO* BRASILIA, DF,  BRASIL,  10-08-2021, 12h00: O presidente da câmara dos deputados Arthur Lira (PP-AL) chega à câmara dos deputados na tarde de hoje. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
*ARQUIVO* BRASILIA, DF, BRASIL, 10-08-2021, 12h00: O presidente da câmara dos deputados Arthur Lira (PP-AL) chega à câmara dos deputados na tarde de hoje. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O ministro Paulo Guedes (Economia) tem que mobilizar o governo se quiser ajudar a aprovar a reforma administrativa, afirmou nesta terça-feira (16) o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL).

O deputado, que está em Lisboa (Portugal), concedeu entrevista à CNN Brasil e foi questionado sobre a fala do ministro em Dubai de que é necessário avançar com as reformas para que os liberais continuem apoiando o presidente Jair Bolsonaro em um segundo mandato.

Lira, inicialmente, disse que comentar sem conhecer a íntegra das declarações de Guedes "geralmente não produz efeitos tão emblemáticos". Ele defendeu a necessidade "de se completar o ciclo de reformas com a reforma administrativa e com a reforma tributária."

O presidente da Câmara afirmou que a administrativa está pronta para ser apreciada em plenário. "O ministro Paulo Guedes, numa fala própria dele, tem que mobilizar o governo para que o governo se mobilize se quer ou não ajudar na reforma administrativa."

"Por enquanto, é o que eu venho dizendo. Eu não noto nem na sociedade civil organizada, nem no governo uma disposição de enfrentar esse tema agora", disse Lira. Segundo ele, agradando ou não a todos, a reforma precisa de mobilização para ir à frente.

"Se não houver, ela está pronta para qualquer momento neste governo, no próximo governo, no próximo ano, ou no começo de um novo governo ela possa vir a plenário e completar esse ciclo com relação a essas reformas", complementou.

Sobre a tributária, Lira lembrou que a Câmara votou o projeto que muda as regras do Imposto de Renda e que está à espera de análise do Senado, que também deve apreciar a PEC (proposta de emenda à Constituição) 110, que substitui nove tributos.

"A [proposta] da CBS [que unifica PIS e Cofins], ela tem sido discutida com o relator e os diversos segmentos, ainda não veio ao colégio de líderes", ressaltou.

As reformas administrativa e tributária são frequentemente citadas como fundamentais para melhorar a situação fiscal do país e para abrir espaço nas contas públicas para ampliar os investimentos.

No entanto, erros na negociação política de ambas praticamente inviabilizaram as mudanças até o final do governo --a própria cúpula do Congresso admite publicamente que a janela de aprovação de matérias controversas terminava agora em novembro.

Entregue em julho de 2020, a primeira fase da reforma tributária de Guedes até hoje não avançou na Câmara, onde começou a tramitar. O projeto que unifica PIS e Cofins na CBS nem sequer tem relatório.

A Câmara também discutia uma PEC que previa juntar impostos federais, estaduais e municipais sobre o consumo em um único tributo. O governo e Lira atuaram para enterrar essa proposta.

Já a reforma administrativa, enviada pelo governo em setembro de 2020, sempre foi vista como uma das mais difíceis de serem aprovadas por causa do forte lobby dos funcionários públicos no Congresso.

A PEC foi aprovada na comissão especial na madrugada de 24 de setembro. Para que a proposta avançasse, partidos da base mudaram a composição do colegiado para reverter uma derrota --7 dos 8 deputados do Novo foram incluídos no grupo, entre titulares e suplentes.

Por isso, a aprovação por 28 a 18 foi considerada por muitos como artificial, demonstrando a dificuldade que a proposta enfrentaria no plenário.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos