Mercado abrirá em 7 h 31 min
  • BOVESPA

    96.582,16
    +1.213,40 (+1,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    36.801,37
    -592,34 (-1,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    36,38
    +0,21 (+0,58%)
     
  • OURO

    1.875,80
    +7,80 (+0,42%)
     
  • BTC-USD

    13.411,41
    -75,82 (-0,56%)
     
  • CMC Crypto 200

    263,02
    +20,34 (+8,38%)
     
  • S&P500

    3.310,11
    +39,08 (+1,19%)
     
  • DOW JONES

    26.659,11
    +139,16 (+0,52%)
     
  • FTSE

    5.581,75
    -1,05 (-0,02%)
     
  • HANG SENG

    24.580,22
    -6,38 (-0,03%)
     
  • NIKKEI

    23.191,76
    -140,18 (-0,60%)
     
  • NASDAQ

    11.211,00
    -131,75 (-1,16%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7537
    +0,0081 (+0,12%)
     

Guedes substitui Marinho por Ramos no Conselho Fiscal do Sesc

Mariana Ribeiro
·1 minuto de leitura

Dos cinco ministros do governo Bolsonaro que inflam os salários com o recebimento de jetons (gratificação por participar de conselhos), Marinho foi o mais beneficiado. O extra no salário do ministro, que é de R$ 30,9 mil, pode chegar a R$ 21 mil por mês O ministro da Economia, Paulo Guedes, retirou o ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, do cargo que ocupava no Conselho Fiscal do Serviço Social do Comércio (Sesc). Para o seu lugar, foi designado o ministro da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos. A decisão foi publicada hoje em portaria no Diário Oficial da União (DOU), com a data de terça-feira. A mudança ocorre depois de o jornal Folha de S.Paulo publicar reportagem que mostra que, dos cinco ministros do governo Bolsonaro que inflam os salários com o recebimento de jetons (gratificação por participar de conselhos), Marinho foi o mais beneficiado. Segundo o texto, o extra no salário do ministro, que é de R$ 30,9 mil, pode chegar a R$ 21 mil por mês. Guedes e Marinho, que deixou a Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia em fevereiro para se tornar ministro, travam uma disputa dentro do governo em relação aos gastos públicos e a destinação de recursos para investimentos no pós-pandemia. No início deste mês, Guedes acusou Marinho de ser “despreparado” e “fura-teto” após circular no mercado financeiro o rumor de que o ministro do Desenvolvimento Regional havia criticado o trabalho de Guedes em live com investidores e dito que o Renda Cidadã sairia “da melhor ou da pior forma”. Marinho negou em nota que tivesse dado tais declarações. Marinho e Guedes Pablo Valadares/Câmara dos Deputados - 8/5/2019