Mercado fechado
  • BOVESPA

    107.741,22
    +882,35 (+0,83%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.947,37
    +341,81 (+0,68%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,90
    +2,41 (+3,47%)
     
  • OURO

    1.786,00
    +6,50 (+0,37%)
     
  • BTC-USD

    50.591,42
    +1.436,43 (+2,92%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.303,73
    -17,54 (-1,33%)
     
  • S&P500

    4.678,51
    +86,84 (+1,89%)
     
  • DOW JONES

    35.682,90
    +455,87 (+1,29%)
     
  • FTSE

    7.339,90
    +107,62 (+1,49%)
     
  • HANG SENG

    23.983,66
    +634,28 (+2,72%)
     
  • NIKKEI

    28.455,60
    +528,23 (+1,89%)
     
  • NASDAQ

    16.283,00
    +440,25 (+2,78%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3293
    -0,0943 (-1,47%)
     

Guedes só fica no governo por falta de plano B, dizem líderes do centrão

·1 min de leitura
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 22.10.2021 - O ministro da Economia, Paulo Guedes, durante coletiva em Brasília. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 22.10.2021 - O ministro da Economia, Paulo Guedes, durante coletiva em Brasília. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Líderes do centrão e membros do mercado financeiro afirmam que a permanência de Paulo Guedes como ministro da Economia se dá só por falta de um plano B.

Auxiliares de Bolsonaro fizeram intensa busca por um substituto durante a semana passada, mas não conseguiram chegar a um nome considerado adequado.

Integrantes da ala política sondaram ao menos dois nomes de fora do governo para eventualmente substituir Guedes: André Esteves e Mansueto Almeida, ambos do BTG Pactual. Este último chegou ao conhecimento do próprio Guedes, que falou sobre o episódio em entrevista na semana passada.

Além desses, houve conversas também com o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, que recusou qualquer possibilidade de assumir o cargo.

Apesar de o ministro da Economia ter cedido e topado revisar o teto de gastos para assegurar o Auxílio Brasil na casa de R$ 400, integrantes do governo avaliam que a briga entre as alas econômica e política está longe de acabar.

A aposta é que os dois grupos continuarão a se criticar e um buscará enfraquecer o outro.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos