Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,91 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,62 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,96
    -0,65 (-0,90%)
     
  • OURO

    1.753,90
    -2,80 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    48.439,61
    +985,97 (+2,08%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.193,48
    -32,05 (-2,62%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,44 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.963,64
    -63,84 (-0,91%)
     
  • HANG SENG

    24.920,76
    +252,91 (+1,03%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,71 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.530,00
    +12,25 (+0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1994
    +0,0146 (+0,24%)
     

Guedes pede ajuda para adiar pagamento de precatórios, e Fux diz que STF poderá ter que analisar caso

·2 minuto de leitura
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 02.09.2021 - O ministro da Economia, Paulo Guedes, durante cerimônia de lançamento das autorizações ferroviárias, em Brasília. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 02.09.2021 - O ministro da Economia, Paulo Guedes, durante cerimônia de lançamento das autorizações ferroviárias, em Brasília. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O ministro Paulo Guedes (Economia) disse nesta quarta-feira (15) que fez "um pedido desesperado de socorro" ao Legislativo e ao Judiciário para solucionar o impasse em torno do Orçamento de 2022 provocado pelo aumento nas despesas com precatórios --dívidas da União que já foram reconhecidas na Justiça e não há mais possibilidade de recurso.

Em debate no mesmo evento, o presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), ministro Luiz Fux, afirmou que a corte poderá ter que analisar o caso.

"Não havendo uma avaliação prévia de constitucionalidade, o Supremo Tribunal Federal precisa pelo seu colegiado chancelar a solução que venha do Legislativo por iniciativa do Executivo", declarou.

Fux e Guedes participaram do encontro anual do Movimento Pessoas à Frente, cujo objetivo é discutir formas de melhorar o Estado.

O ministro da Economia busca uma saída para adiar o pagamento de precatórios e, com isso, conseguir mais espaço no teto de gastos --norma que impede o crescimento das despesas acima da inflação.

Os gastos com precatórios estão contabilizados dentro desse limite.

O governo diz que não esperava que os precatórios em 2022 subissem para R$ 89,1 bilhões, o que representa uma forte alta em relação aos R$ 54 bilhões previstos no Orçamento de 2021.

Guedes enviou uma PEC (proposta de emenda à Constituição) pedindo ao Congresso o aval para o parcelamento das dívidas já em 2022. Além disso, o governo tenta costurar um acordo com membros do STF e do TCU (Tribunal de Contas da União) para aliviar o Orçamento do próximo ano.

No debate, Fux defendeu o diálogo entre as instituições e, em tom de brincadeira, disse que é "tão amigo, que coloca no meu colo um filho que não é meu".

Em resposta, Guedes afirmou que "é só um pedido desesperado de socorro; de forma alguma é para depositar um filho ou responsabilidade no seu colo."

O ministro da Economia lembrou que a solução para o impasse relacionado ao pagamento de precatórios busca, entre outras coisas, viabilizar um aumento do valor pago a beneficiários do Bolsa Família ou Auxílio Brasil --nome dado ao programa social que Bolsonaro pretende criar para substituir a iniciativa gestada por petistas.

O aumento, segundo Guedes, deve ser para cerca de R$ 300. Hoje, o benefício médio é de aproximadamente R$ 190.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos