Mercado fechado
  • BOVESPA

    114.647,99
    +1.462,52 (+1,29%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.798,38
    +658,14 (+1,26%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,66
    +1,35 (+1,66%)
     
  • OURO

    1.768,10
    -29,80 (-1,66%)
     
  • BTC-USD

    60.843,02
    -1.350,54 (-2,17%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.464,06
    +57,32 (+4,07%)
     
  • S&P500

    4.471,37
    +33,11 (+0,75%)
     
  • DOW JONES

    35.294,76
    +382,20 (+1,09%)
     
  • FTSE

    7.234,03
    +26,32 (+0,37%)
     
  • HANG SENG

    25.330,96
    +368,37 (+1,48%)
     
  • NIKKEI

    29.068,63
    +517,70 (+1,81%)
     
  • NASDAQ

    15.144,25
    +107,00 (+0,71%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3297
    -0,0741 (-1,16%)
     

Guedes estuda baixar tarifas de importação mesmo com obstáculos no Mercosul

·1 minuto de leitura
*ARQUIVO* BRASILIA, DF,  BRASIL,  02-09-2021, 12h00: Paulo Guedes (Economia), durante cerimônia de Lançamento de Autorizações Ferroviárias, no Palácio do Planalto. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
*ARQUIVO* BRASILIA, DF, BRASIL, 02-09-2021, 12h00: Paulo Guedes (Economia), durante cerimônia de Lançamento de Autorizações Ferroviárias, no Palácio do Planalto. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O ministro da Economia, Paulo Guedes, já acionou a assessoria jurídica do Ministério da Economia para estudar como baixar as tarifas de importação. Ele tem um obstáculo pela frente: o Mercosul, cujos países integrantes precisam concordar, de forma unânime, com a medida.

Guedes intensificou nos últimos dias a pressão sobre a Argentina, que tem exercido poder de veto para a redução. O ministro pretende encontrar uma fórmula jurídica que permita a baixa mesmo com o país vizinho votando contra ela.

O ministro tem repetido que uma maior abertura do país é necessária para o controle da inflação. As outras medidas, afirma ele, já foram tomadas: o controle fiscal do governo, contraindo gastos. E a independência do Banco Central, que hoje está mais livre para executar a política monetária, aumentando juros e freando uma explosão de preços na economia.

A inflação do governo de Jair Bolsonaro é uma das maiores das últimas décadas: 10% no acumulado de 12 meses.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos