Mercado abrirá em 6 h 53 min

Guedes escolhe Bruno Funchal para comandar Tesouro Nacional

BERNARDO CARAM E THIAGO RESENDE
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 29.04.2020 - Ministro da Economia, Paulo Guedes. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O ministro Paulo Guedes (Economia) escolheu Bruno Funchal, atual diretor de programa da pasta, como o novo secretário do Tesouro Nacional. Ele assume a vaga de Mansueto Almeida, que anunciou a saída do governo no final de semana.

Ex-secretário de Fazenda do Espírito Santo, Funchal ganhou destaque dentro do governo nos assuntos federativos e atuou nas negociações para calibrar o pacote de socorro financeiro aos estados e municípios, que gerou atritos entre o Congresso e o Ministério da Economia.

Preocupada com o alto custo da proposta que chegou a ser articulada pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), em abril, a equipe econômica, incluindo Funchal, buscou desarmar o projeto considerado como uma pauta-bomba, pois, segundo os técnicos, poderia superar a despesa de R$ 200 bilhões.

Dialogando, especialmente com o Senado, o time, do qual ele fez parte, conseguiu um meio-termo com o Congresso para que o impacto fosse menor que a versão aprovada na Câmara. A preocupação era estender o aumento de gastos para os próximos anos, e não deixar o efeito limitado a 2020 –ano de calamidade pública causada pela pandemia da Covid-19.

A escolha de Funchal para o posto foi confirmada pelo Ministério da Economia na tarde desta segunda-feira (15). Ele assumirá efetivamente o cargo em 31 de julho. A indicação é vista internamente como uma sinalização do ministro Paulo Guedes de disposição para ampliar o diálogo com o Congresso nas pautas econômicas. e reforçar a necessidade de ajuste fiscal.

A equipe do ministro quer intensificar o discurso de que a saída de Mansueto não representa uma mudança no rumo da política fiscal. Estão mantidas as prioridades da pasta para o pós-pandemia, com reformas estruturais, redução das despesas obrigatórias e estímulo ao investimento privado.

Por ser um quadro da pasta, Funchal já está familiarizado com as ações defendidas por Guedes. Como diretor de programa na secretaria especial de Fazenda, ele participou da elaboração do Plano Mais Brasil, conjunto de medidas anunciadas por Guedes em novembro do ano passado para ajustar as contas públicas.

O plano inclui, por exemplo, a liberação de dinheiro parado em fundos públicos e aumento de repasses para estados e municípios desde que os entes também se esforcem para controlar as despesas.

Funchal tem 41 anos, é doutor em Economia pela FGV (Fundação Getúlio Vargas) e tem pós-doutorado pelo IMPA (Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada).

Em 2017 e 2018, foi secretário de Fazenda do Espírito Santo, durante o governo de Paulo Hartung. A gestão foi reconhecida pela austeridade fiscal e adoção de medidas de ajuste das contas estaduais.

Em avaliação feita pelo Tesouro para classificar a capacidade dos estados de honrarem seus compromissos financeiros, o Espírito Santo é o único ente com nota máxima.

Desde o ano passado, Mansueto já dava sinais de que gostaria de sair do governo, mas foi convencido a permanecer por mais tempo.

No fim de 2019, Guedes chegou a dizer que negociava internamente para tentar segurar o secretário no cargo por pelo menos mais um ano. Ele também sugeriu que o secretário comandasse o Conselho Fiscal da República, órgão que seria criado com a aprovação das propostas do pacto federativo. Sem votação do Congresso, o órgão ainda não foi criado.

Nas últimas semanas, porém, Mansueto retomou as tratativas com o ministro para que fosse possível uma transição para sua saída.

Funchal ocupa hoje cargo dentro da secretaria especial de Fazenda da pasta. O Tesouro Nacional também fica sob o guarda-chuva da Fazenda.

Neste domingo (14), a decisão de Mansueto de deixar o cargo foi confirmada. O secretário disse à Folha de S.Paulo que agora seria o momento adequado porque está se iniciando uma nova fase para a gestão econômica, com medidas para a recuperação da atividade.

“Ou saía agora, ou não saía, porque é preciso que seja o mesmo secretário acompanhando esse novo momento”, disse Mansueto.

O secretário comanda o Tesouro desde abril de 2018. Assumiu a função no último ano do governo Michel Temer (2016-2018). Antes, foi secretário de Acompanhamento Econômico e de Acompanhamento Fiscal do então Ministério da Fazenda, na gestão Henrique Meirelles (2016-2018).