Mercado fechará em 2 h 35 min
  • BOVESPA

    111.640,42
    +730,81 (+0,66%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.342,71
    +168,65 (+0,34%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,19
    +1,99 (+2,54%)
     
  • OURO

    1.767,50
    +3,80 (+0,22%)
     
  • BTC-USD

    16.876,05
    +504,07 (+3,08%)
     
  • CMC Crypto 200

    400,68
    -0,02 (-0,00%)
     
  • S&P500

    3.953,04
    -4,59 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    33.708,49
    -144,04 (-0,43%)
     
  • FTSE

    7.590,45
    +78,45 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    18.597,23
    +392,55 (+2,16%)
     
  • NIKKEI

    27.968,99
    -58,85 (-0,21%)
     
  • NASDAQ

    11.548,00
    +23,25 (+0,20%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4229
    -0,0337 (-0,62%)
     

Guedes diz ser simples governo Lula fazer superávit fiscal em 2023, sugerindo fim de desonerações

BRASÍLIA (Reuters) - É relativamente simples o governo de Luiz Inácio Lula da Silva fazer um superávit fiscal em 2023, disse nesta terça-feira o Ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmando que isso será possível “se quiser acabar” com as desonerações --embora o atual governo não tenha conseguido efetivar esses cortes.

Segundo ele, com o corte das desonerações, o novo governo transformaria o déficit previsto de 0,4% do PIB para 2023 em um superávit de 0,4% do PIB.

O atual governo chegou a inserir em uma PEC a exigência de apresentação de um plano para rever as desonerações tributárias, mas essa reestruturação não chegou a avançar. No caso das desonerações setoriais, os benefícios foram renovados na atual gestão e ainda havia promessa de campanha de Jair Bolsonaro de estender a redução tributária ao setor de saúde.

Em apresentação para comentar dados fiscais, o ministro voltou a rebater o que classificou como falsas narrativas sobre o governo, afirmando que não há irresponsabilidade fiscal e apresentando dados positivos na área.

Guedes projetou ainda que o governo encerrará 2022 com uma dívida bruta de 74,3% do PIB. Em setembro, último dado disponível, o indicador estava em 77,1% do PIB. Segundo ele, o superávit do governo central poderá chegar a 0,4% do PIB este ano, contra projeção apresentada nesta terça-feira de 0,2%.