Mercado fechado
  • BOVESPA

    115.202,23
    +2.512,05 (+2,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.342,54
    +338,35 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,28
    +2,45 (+3,84%)
     
  • OURO

    1.698,20
    -2,50 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    50.662,95
    +3.183,09 (+6,70%)
     
  • CMC Crypto 200

    982,93
    +39,75 (+4,21%)
     
  • S&P500

    3.841,94
    +73,47 (+1,95%)
     
  • DOW JONES

    31.496,30
    +572,16 (+1,85%)
     
  • FTSE

    6.630,52
    -20,36 (-0,31%)
     
  • HANG SENG

    29.098,29
    -138,50 (-0,47%)
     
  • NIKKEI

    28.864,32
    -65,78 (-0,23%)
     
  • NASDAQ

    12.652,50
    +197,50 (+1,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7780
    -0,0079 (-0,12%)
     

Guedes diz reconhecer urgência, mas quer auxílio emergencial com contrapartidas

FÁBIO PUPO
·2 minuto de leitura

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O ministro Paulo Guedes (Economia) afirmou nesta quinta-feira (11) que o governo reconhece a urgência de recriar o auxílio emergencial diante da continuidade da pandemia, mas insistiu em demandar contrapartidas para compensar os gastos. "Reconhecemos a necessidade e gostaríamos de fazer antes, mas qual a contrapartida [fiscal]?", afirmou em evento promovido pela SNA (Sociedade Nacional de Agricultura). "Vamos estender o auxílio porque há um recrudescimento da crise na saúde. Mas, por favor, qual a contrapartida que temos? Como proteger as futuras gerações? E se o ano inteiro for assim? E se a pandemia continuar por seis meses, oito meses, o ano inteiro? Qual a contrapatida?", disse. Para ele, o caminho é adicionar a cláusula de calamidade pública à PEC (proposta de emenda à Constituição) do Pacto Federativo, que corta despesas. "Podemos excepcionalmente criar esse protocolo que existe. Pegar a PEC de Guerra, transformá-la em uma cláusula de calamidade pública dentro do Pacto Federativo, que é um marco fiscal, com travas e contrapartidas", disse. As declarações são dadas em resposta ao presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL). Lira cobrou o governo, especialmente Guedes, para que seja apresentada uma proposta a respeito da assistência à população carente. "Mas urge que o ministro Guedes nos dê, com sensibilidade do governo, uma alternativa viável, dentro dos parâmetros da economia como ele pensa e como a sociedade deseja. A situação está ficando crítica na população e a gente tem que encontrar uma alternativa", afirmou Lira nesta quinta-feira (11). "Nada foi encaminhado praticamente." Segundo Guedes, a proposta pode ser apresentada até mesmo nesta quinta porque a proposta estaria pronta. "Ele [Lira] hoje fez uma convocação. 'Estamos esperando do Ministério da Economia uma solução'. A solução pode ser entregue para ele hoje. Se quiser, levo hoje. Se quiser, levo amanhã. Ou daqui a uma semana. Está pronta", disse Guedes, se referindo ao mecanismo via Pacto Federativo.