Mercado fechará em 3 h 40 min

Guedes diz que se afastou de offshore e que o 'resto é barulho, barulho e barulho'

·2 minuto de leitura
*ARQUIVO* BRASILIA, DF,  BRASIL,  20-05-2021, 12h00: O ministro da Economia Paulo Guedes durante entrevista à Folha em seu gabinete. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
*ARQUIVO* BRASILIA, DF, BRASIL, 20-05-2021, 12h00: O ministro da Economia Paulo Guedes durante entrevista à Folha em seu gabinete. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O ministro Paulo Guedes (Economia) se defendeu nesta sexta-feira (8) após a revelação de que ele mantém recursos em um paraíso fiscal. 

Segundo o ministro, a offshore nas Ilhas Virgens Britânicas é legal, foi declarada, e reforçou que se afastou da gestão da empresa antes de assumir o cargo no governo do presidente Jair Bolsonaro. 

Leia também:

"Não teve movimentação de trazer dinheiro do exterior, levar dinheiro para o exterior desde que coloquei dinheiro lá", disse o ministro. 

Essa foi a primeira vez em que Guedes falou publicamente sobre o assunto, durante evento virtual do banco Itaú. O ministro não foi questionado sobre o tema, mas quis se pronunciar a respeito do caso. 

Antes, ele havia se manifestado por meio de notas à imprensa e também pelos advogados. 

O ministro negou haver conflito de interesse por causa do recursos no exterior. "O resto é barulho, barulho, barulho, e acho que isso vai piorar com a proximidade das eleições", afirmou. 

Pandora Papers

A existência dos investimentos de Guedes no exterior foi revelada no domingo (3) por veículos como a revista Piauí e o jornal El País, que participam do projeto do Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos, o ICIJ. Os documentos fazem parte da Pandora Papers, investigação sobre paraísos fiscais promovida pelo consórcio. 

Segundo as reportagens, Guedes, sua esposa e sua filha são acionistas de uma offshore nas Ilhas Virgens Britânicas, conhecido paraíso fiscal. Em 2015, ela tinha US$ 9,5 milhões (aproximadamente R$ 51 milhões, em valores atuais). 

O principal ponto da defesa no caso da offshore é dizer que o ministro não ocupa o cargo de administrador da empresa Dreadnoughts, citada em reportagens da Pandora Papers, desde que assumiu o cargo no governo. 

O ministro citou no evento do Itaú que se desfez de investimentos no Brasil antes de assumir o cargo no governo e isso lhe causou um prejuízo financeiro maior do que o valor da empresa no exterior. 

Com o enfraquecimento político de Guedes, o plenário da Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (6) a convocação do ministro para explicar a existência de recursos dele em um paraíso fiscal. 

Na quarta à noite, Guedes disse a jornalistas ao deixar o Ministério da Economia que estava tranquilo diante da convocação para se explicar na Câmara. "Tranquilo, supertranquilo", afirmou. 

Mesmo aliados do governo não pretendem tentar blindar o ministro. Deputados querem que Guedes se explique à Casa. 

Além disso, ele deverá ser questionado sobre os rumos da política econômica e soluções para os principais problemas do país, como a inflação e o desemprego.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos