Mercado fechará em 6 h 16 min
  • BOVESPA

    117.372,98
    -187,85 (-0,16%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.326,68
    0,00 (0,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    89,78
    +1,33 (+1,50%)
     
  • OURO

    1.709,60
    -11,20 (-0,65%)
     
  • BTC-USD

    19.655,78
    -571,45 (-2,83%)
     
  • CMC Crypto 200

    447,57
    -7,46 (-1,64%)
     
  • S&P500

    3.686,70
    -57,82 (-1,54%)
     
  • DOW JONES

    29.577,41
    -349,53 (-1,17%)
     
  • FTSE

    6.995,60
    -1,67 (-0,02%)
     
  • HANG SENG

    17.740,05
    -272,10 (-1,51%)
     
  • NIKKEI

    27.116,11
    -195,19 (-0,71%)
     
  • NASDAQ

    11.338,00
    -203,75 (-1,77%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,0898
    -0,0237 (-0,46%)
     

Guedes diz que salários poderão ser elevados

Ministro da Economia, Paulo Guedes, fala em comissão do Senado, em Brasília

Por Marcela Ayres

BRASÍLIA (Reuters) -O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse nesta terça-feira que os salários podem ser aumentados na esteira de ganhos de eficiência do governo, após nenhum aumento real do salário mínimo e um congelamento de vencimentos de servidores públicos nos últimos anos.

Falando virtualmente em evento promovido pela Associação Brasileira de Supermercados (Abras), Guedes destacou os ganhos de eficiência com a digitalização dos serviços públicos, ressaltando ainda que a atual gestão não substituiu muitos servidores aposentados.

"Poderemos dar aumento de salários moderados e baseados em inflação prospectiva daqui para a frente. Vamos daqui para a frente manter o poder aquisitivo ou até aumentar o poder aquisitivo dos salários", afirmou o ministro.

O governo do presidente Jair Bolsonaro --que busca a reeleição em outubro, mas está atrás do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva nas pesquisas de intenção de voto-- reservou 14,2 bilhões de reais para financiar salários mais altos de servidores públicos no projeto de Orçamento para 2023 enviado ao Congresso.

A proposta não especificou o percentual de reajuste e as categorias contempladas, em meio à intensa pressão dos servidores públicos por aumento salarial conforme a inflação corroeu o poder de compra na maior economia da América Latina.

Quanto ao salário mínimo, o projeto de lei orçamentária não previu aumento além da inflação.

Durante o evento da Abras, Guedes afirmou ainda que o governo Bolsonaro pretende privatizar o Porto de Santos neste ano, após o estabelecimento nesta terça de que o leilão terá uma outorga inicial de 3,015 bilhões de reais mais ágio.

(Reportagem de Marcela Ayres)

((Tradução Redação São Paulo, 55 11 56447757)) REUTERS JCG